sexta-feira, 1 de julho de 2011

MEU PAI ERA (É) TUDO PRA MIM - COMEÇA O COMEÇO PAI!....

“PAI, COMEÇA O COMEÇO!”
Quando eu era criança e pegava uma tangerina para descascar, corria para meu pai e pedia: - “pai, começa o começo!”. O que eu queria era que ele fizesse o primeiro rasgo na casca, o mais difícil e resistente para as minhas pequenas mãos. Depois, sorridente, ele sempre acabava descascando toda a fruta para mim. Mas, outras vezes, eu mesmo tirava o restante da casca a partir daquele primeiro rasgo providencial que ele havia feito.
Meu pai faleceu há muito tempo (e há anos, muitos, aliás) não sou mais criança. Mesmo assim, sinto grande desejo de tê-lo ainda ao meu lado para, pelo menos, “começar o começo” de tantas cascas duras que encontro pelo caminho. Hoje, minhas “tangerinas” são outras. Preciso “descascar” as dificuldades do trabalho, os obstáculos dos relacionamentos com amigos, os problemas no núcleo familiar, o esforço diário que é a construção do casamento, os retoques e pinceladas de sabedoria na imensa arte de viabilizar filhos realizados e felizes, ou então, o enfrentamento sempre tão difícil de doenças, perdas, traumas, separações, mortes, dificuldades financeiras e, até mesmo, as dúvidas e conflitos que nos afligem diante de decisões e desafios.
Em certas ocasiões, minhas tangerinas transformam-se em enormes abacaxis......
Lembro-me, então, que a segurança de ser atendido pelo papai quando lhe pedia para “começar o começo” era o que me dava a certeza que conseguiria chegar até ao último pedacinho da casca e saborear a fruta. O carinho e a atenção que eu recebia do meu pai me levaram a pedir ajuda a Deus, meu Pai do Céu, que nunca morre e sempre está ao meu lado. Meu pai terreno me ensinou que Deus, o Pai do Céu, é eterno e que Seu amor é a garantia das nossas vitórias.
Quando a vida parecer muito grossa e difícil, como a casca de uma tangerina para as mãos frágeis de uma criança, lembre-se de pedir a Deus:
“Pai, começa o começo!”. Ele não só “começará o começo”, mas resolverá toda a situação para você.
Não sei que tipo de dificuldade eu e você estamos enfrentando ou encontraremos pela frente neste ano. Sei apenas que vou me garantir no Amor Eterno de Deus para pedir, sempre que for preciso: “Pai, começa o começo!”. (autor desconhecido)

HOTEL ROLÂNDIA - RELATO DE EUGENIO VITOR LARIONOFF - 1º PROPRIETÁRIO E CONSTRUTOR DO HOTEL

HISTÓRIA DO HOTEL ROLÂNDIA

 Em 18 de junho de 1934, a Companhia de Terra Norte do Paraná efetuou a venda do  primeiro lote urbano ao Sr. Elmar Kirschnich. Antes disso, porém, já havia vendido lotes rurais a imigrantes japoneses, ainda em 1932. No dia 29 de junho do mesmo ano (1934), teve início a primeira construção do perímetro urbano: o Hotel Rolândia. De propriedade do russo Eugênio Victor Larionoff, funcionário do escritório da Companhia de Terras, em Londrina, foi a primeira de inúmeras construções que se sucederam. O que era para ser apenas um patrimônio, em pouco tempo tornou-se uma vila próspera. Larionoff conta que a idéia de construir um hotel veio de repente, surgiu em sua mente em um momento tão exótico quanto tinha sido sua vida: Assim relatou: "Foi num cemitério. Este porém, pertencia à então humilde povoação de Londrina, durante o enterro de uma senhora ligada à Cia de Terras Norte do Paraná, em abril de 1934. Neste dia, o tempo esteve tão esplêndido, com um céu tão límpido e azul, o ar tão puro e tanta luz solar cintilante e faiscando pelo mundo verde em que vivia, que não consegui concentrar-me na cerimônia fúnebre. A imagem resplandecente e alegre da natureza inundava minha alma toda. De súbito, lembrei-me da informação recebida há poucos dias que logo seria aberta uma clareira, distante uns 21 quilômetros de Londrina, na qual seria fundada pela Cia a sua terceira cidade (Rolândia). Irei construir ali algo notável para aquela época, disse a mim mesmo: um hotel, o Hotel Rolândia." Decidido, na manhã seguinte Larionoff foi falar  com o diretor da colonizadora, Mr. Arthur Thomas, que apoiou de pronto o projeto e abriu uma exceção por reconhecer a grande utilidade de um hotel, que ofereceria hospedagem aos compradores das terras. Seria um grande conforto no meio daquela floresta virgem que permanecia intacta até aquela ocasião. Com recursos próprios, Larionoff adquiriu, dia 20 de junho de 1934, três datas de terras para as futuras instalações do hotel. Logo a planta do hotel estava pronta. A fachada e a disposição interna foram idealizadas por mim, - relata Larionoff - ao passo que a preparação técnica coube ao nosso engenheiro Dr. Ernesto Rosenberger, filho do proprietário do Hotel Luxemburgo, de Londrina, bem como foi assinado o contrato de empreitada com os dois carpinteiros alemães. E assim, no dia 29 de junho de 1934 foi começada a primeira edificação na futura cidade de Rolândia: o meu hotel (lembra o pioneiro). Continuando o seu relato Larionoff recorda: "Às vezes dava um passeio pela área da futura cidade de Rolândia, que não passava de alguns alqueires. A mata silenciosa era como uma cortina verde que cercava toda a área destinada para a cidade. Nesses meus passeios o mundo exterior parecia muito longe e eu sentia-me inteiramente afastado dele. Para me compensar dessa solidão tinha “amigos” que muito admirava, pois nunca os vira antes nem durante a construção da estrada de ferro de Cambará até Jataí enem em Londrina no seu primórdio. Eram os tucanos. Eles me fascinavam. Trabalhava arduamente dia e noite. “Volta e meia ia pela manhã a Rolândia, por ser este o período do dia em que os compradores das terras, acompanhados por agentes, embrenhavam-se na mata a fim de escolher seus lotes.”  À noite, voltava a Londrina para fechar a compra. E sua presença (Larionoff)  era imprescindível, pois era responsável por lavrar as escrituras de compromisso, emitir recibos e receber o dinheiro da primeira parcela. Por falta de um banco na localidade, guardava o dinheiro num cofre e depois o enviava, por trem, para Ourinhos (SP). No final de setembro, a construção do Hotel Rolândia estava terminada. Já haviam começado outras construções na localidade. Dia 1º de outubro de 1934 deu-se a inauguração oficial do hotel, comemorada com um almoço, porém ele só começou a funcionar em novembro. Estiveram presentes à inauguração Mr. Arthur Thomas e Willie Davis (futuro prefeito de Londrina), com suas esposas, além de importantes funcionários da CTNP, como George Craig Smith, Luiz Estrella (arrendatário do Hotel) , Dino Schneider, Carlos de Almeida e Amador B. Merlo e os dois construtores alemães. Larionoff se recorda bem: "Neste  dia tão memorável para mim, hasteei à direita a bandeira brasileira que para mim significava o carinhoso acolhimento que recebi em minha nova pátria, e à esquerda a bandeira tricolor do Império Russo – a bandeira dos Czares confeccionada para mim por uma mulher russa, de Londrina. A previsão constantemente repetida pelos carpinteiros alemães que o hotel tão bem construído por eles duraria cinqüenta anos cumpriu-se inteiramente. Em 1987 Larionoff voltou a Rolândia onde recebeu o Título de Cidadão Honorário, projeto de minha autoria em companhia de Nikolaus Schauff. Em 29 de junho de 1988 Larionoff participou do palanque do primeiro desfile do aniversário de Rolândia com a nova data. JOSÉ CARLOS FARINA - EX-VEREADOR DE ROLÂNDIA

Fonte de pesquisa: Museu municipal de Rolândia, acervo próprio e  Fotografia e memória: 75 anos da história do Hotel Rolândia contada em imagens de Paulo César Boni e Cássia Maria Popolin.

ENGENHARIA ROLÂNDIA - PR.

ENGENHEIRO CIVIL ROLÂNDIA - PR.

PAULO ADEMIR FARINA - RUA DUQUE DE CAXIAS, 721 - FONE (43)-3256-2085



(ANUNCIE AQUI VOCÊ TAMBEM)

MÉDICOS MÉDICO CLÍNICAS HOSPITAL EM ROLÂNDIA - PR.

ESTAMOS AGUARDANDO O SEU ANÚNCIO 43-3256-1908

ENGENHEIRO ENGENHEIROS ARQUITETOS EM ROLÂNDIA - PR.

PAULO ADEMIR FARINA - RUA DUQUE DE CAXIAS, 721 - FONE (43)-3256-2085



(ANUNCIE AQUI VOCÊ TAMBEM)

FOTOS HISTÓRICAS - PESQUISA FARINA

FOTOS HISTÓRICAS








LULA E FHC PANFLETANDO







BEATLES EM COMEÇO DE CARREIRA






COCA-COLA NO ÚLTIMO SÉCULO






CONSTRUÇÃO DO EMPIRE STATE (ESTADOS UNIDOS)

FURTOS DE CAMIONETAS EM ROLÂNDIA

DUAS NA SEMANA
Nos últimos dias foram notificados dois furtos de camionetas em Rolândia. A primeira foi uma F-250. Ontem tentaram furtar mais uma camioneta F-100o do Sr. Sassaki que mora na Av. Pres. Bernardes. Os meliantes não conseguiram andar mais do que 50 metros e a mesma parou, pois tinha uma trava  "carneiro".  Assim a mesma foi recuperada pelo dono. JOSÉ CARLOS FARINA

RAPAZ MANTINHA NAMORADA EM CÁRCERE PRIVADO EM ROLÂNDIA

MOÇA NÃO FOI OUVIDA

O polícia militar prendeu ontem por volta da 16 horas um rapaz no Sítio São Pedro, Gleba Ribeirão Vermelho que segundo o Conselho Tutelar mantinha a namorada em  cárcere privado. No local além da moça foi encontrado uma espingarda. Não foi informado se a adolescente consentiu ou não em permanecer no local com o suposto namorado. JOSÉ CARLOS FARINA