quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

LONDRINA - INAUGURADO MAIS UMA ETAPA DO "NOVO PISO DO CALÇADÃO"

QUAL A VOSSA OPINIÃO SOBRE ESTE NOVO PISO E AUSÊNCIA DE ÁRVORES?
NA MINHA OPINIÃO O ANTERIOR ERA MAIS BONITO.
                                          FOTO By RENATO ALVES (FACEBOOK)

VÍDEO - ROLÂNDIA - ACIDENTE GRAVE ENTRE ÔNIBUS E FUSCA - 2 FERIDOS GRAVES

BLOG DA FARINA - 59.000 ACESSOS


OBRIGADO AMIGOS (as)

CHEGAMOS LÁ!....

50.000 ACESSOS É UMA GRAAANDE MARCA

VIEMOS PARA FICAR....

CONTEM COMIGO....

 EU CONTO COM VOCÊS

DEUS ABENÇOE TODOS NÓS...

JOSÉ CARLOS FARINA - PROPRIETÁRIO

NOVA MODA - ROUPAS PARA O PRÓXIMO VERÃO 2011 / 2012

NO JAPÃO
DEPOIS BRASILEIRO É QUE É MALUCO
JÁ PENSARAM SE ESTA MODA PEGA?

2º VÍDEO BOSQUE DE LONDRINA - DEBATE PREFEITO - BARBOSA NETO E PROTESTO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL É UMA VERGONHA - ÊTA CONGRESSO NACIONAL - COM RARAS EXCEÇÕES

ISSO SIM É AMOR ÀS ARVORES

SALTO APUCARANINHA - LONDRINA - PARANÁ - TURISMO - CIDADES - VIAGEM

FLORESTAS - ÁRVORES E A QUALIDADE DO AR




TEATRO NO NANUK DE ROLÂNDIA


Domingo, 11, às 20:30 horas, no Centro Cultural Nanuk, eles estão de volta. Os atores das oficinas de teatro da Secretaria de Cultura de Rolândia voltam ao palco para reapresentarem o espetáculo “Iepe, bebe, cai e levanta”. A peça estreou em outubro e, desde então, vem sendo apresentada para alunos das escolas locais, entidades e outros bairros. Agora eles retornam ao Nanuk para fecharem o ano dentro da programação de final de ano da Secretaria de Cultura.

No enredo a história de Iepe, um beberrão que vivia apanhando da mulher, e que um dia, a sorte ou o azar, o levam para uma viagem insólita: da noite para o dia, após ter enxugado muitas garrafas, é levado a um castelo e é nomeado barão. A partir daí, só confusão. O que fazer com tanto poder?

Com gargalhadas garantidas, os atores esperam o público para assistirem e comemorarem o sucesso do espetáculo e a última apresentação.

A entrada é 1 quilo de alimento não perecível. 

PATRÍCIA POETA - A MUSA DA NOTÍCIA


Divulgação
BONDENEWS
A própria Globo foi quem começou a dar destaque acima do normal à mudança na bancada do seu principal telejornal. A repercussão, no entanto, não traz apenas benefícios ao ''Jornal Nacional'', e algumas especulações sobre discordâncias no nome preferido para substituir Fátima Bernardes começam a aparecer. 


Nesta terça-feira (6), o colunista Flávio Ricco, do UOL, publicou que alguns setores da emissora carioca consideravam Renata Vasconcellos - atualmente no ''Bom Dia Brasil'' - a sucessora natural da mulher de William Bonner. 



José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni - que durante décadas foi um dos chefões do canal -, admitiu sua preferência por Renata em entrevista concedida na última segunda-feira (5) à rádio Jovem Pan



Todo caso, Fátima passou o bastão a Patrícia Poeta na edição de ontem do noticioso.

SENADO CONVALIDA CRIMES AMBIENTAIS NO NOVO CÓDIGO

FOLHAWEB

Greenpeace faz protesto contra Código Florestal em Brasília

Brasília amanheceu hoje (6) com uma manifestação contra a aprovação do novo Código Florestal. Na Praça dos Três Poderes, representantes do Greenpeace inflaram um balão gigante em formato de motosserra, que trazia as frases: "Senado, Desliga Essa Motosserra", de um lado, e "Dilma, Desliga Essa Motosserra", de outro. 


Para o Greenpeace, a aprovação do projeto do novo Código Florestal compromete as metas do país de preservação do meio ambiente. "O projeto de lei como está [escrito] vai levar ao aumento do desmatamento, [conceder] anistia para quem desmatou ilegalmente e ainda abrir brechas para novas concessões", disse a engenheira agrônoma do Greenpeace Brasil Tatiana de Carvalho. 



De acordo com ela, o texto em discussão no Congresso sobre o Código Florestal causa prejuízos para a sociedade, pois ameaça a segurança dos rios e do mar, além de pôr em risco as florestas do país. 



"A gente já vê uma série de catástrofes naturais acontecendo de forma cada vez mais frequente. Esse [texto sobre o novo] Código Florestal não trata somente de questões rurais, mas também de questões urbanas, como a proteção de encostas", disse ela. 



A previsão é que o Senado, no plenário, vote ainda hoje (6) o texto do novo Código Florestal. Até ontem (5), segundo assessores, foram protocoladas 44 emendas. Nos debates que ocorrerão ao longo do dia, podem ser incluídas mais propostas. PEÇO MISERICÓRDIA PARA COM NOSSAS RESERVAS E MATAS CILIARES.

SENADO APROVA O CÓDIGO FLORESTAL ( QUE PENA )

FOLHAWEB

Senado aprova projeto do novo Código Florestal

Com 26 emendas acatadas pelo relator e 60 rejeitadas, a votação do novo Código Florestal foi concluída no fim da noite pelo Senado. O relator, senador Jorge Viana (PT-AC), acolheu 20 emendas de mérito e seis de redação que mudam pouco os contornos gerais do texto que ele defendeu hoje (6) em plenário. 

Entre as emendas acolhidas por Viana, apenas três trazem acréscimos relevantes ao texto. A primeira delas trata de bacias hidrográficas e determina que quando elas estiverem em situação crítica de desmatamento, o governo poderá aumentar o percentual de recuperação das áreas de preservação permanente. 

A segunda emenda considerada relevante pelo relator e pelo governo trata de critérios para produção em apicuns – que são vegetações que convivem com os mangues. As atividades produtivas que até então estavam proibidas no texto, passarão a ser permitidas em até 10% da área do apicum na Amazônia e em até 35% em outros biomas. 

A terceira emenda permite aos estados que tiverem mais de 65% de suas áreas em unidades de conservação, como terras indígenas ou florestas, reduzir de 80% para 50% a reserva legal que precisa ser mantida pelas propriedades rurais. A necessidade dessa redução, no entanto, precisa ser apontada pelo Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) e aprovada pelos conselhos estaduais de meio ambiente. 

Para a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o novo código aprovado pelo Senado representa um avanço. Ela compareceu ao Senado no fim da votação e admitiu que o governo precisará encontrar uma nova forma de trabalhar para coibir o desmatamento e promover o reflorestamento. "Mais do que fiscalização, ele [o código] promove um maior controle social. Ele prevê, por exemplo, a suspensão do crédito para os produtores que estiverem irregulares com as questões ambientais", explicou. 

O texto segue agora para a Câmara, onde os deputados irão votar se acatam integral ou parcialmente o substitutivo do relator Jorge Viana. Eles podem ainda rejeitar completamente o texto do Senado e retomar o projeto original aprovado na Casa.

Agência Brasil

GIU LUIGI E O BOSQUE DE LONDRINA 2

RESPOSTA A UM CIDADÃO

 Sou engenheiro agrônomo e pós-graduado em gestão ambiental. Considero sim a questão da ocupação de espaço urbano, mas observo também outros fatores envolvidos. A começar pela questão sanitária onde as fezes das pombas amargosinhas (que são nativas em toda a América do Sul e não exóticas) que, como vc mesmo concorda, se acumulam exalando o odor fétido da fermentação, o que incomoda quem atravessa a área. Também existe o fato de que elas se transformam em pó quando secas e pisadas por transeuntes é levada pelo vento e traz o perigo de infecção pulmonar aos moradores locais. Se retirarmos o pavimento que impermeabiliza o solo haverá a rápida decomposição e mineralização desses excrementos na terra, o que resolveria o problema. Caso as coisas forem como vc sugere, seria preciso um apoio logístico grande e permanente por parte do poder público local pra garantir a sanidade do bosque para os freqüentadores (limpeza das passarelas, bancos, mesinhas, banheiros públicos, etc), assim como a questão de segurança. Eu não acredito que possamos confiar que qualquer prefeito que estiver ocupando a cadeira vai garantir esse serviço permanentemente. O mais crível é que logo o espaço voltará ao esquecimento e ao abandono como sempre acontece. O que se espera é que aquilo volte a ser latrina para mendigos(como li no jornal outro dia), ponto para prostituição, uso de drogas, assaltos, marginalidade em geral onde o cidadão de bem passará longe. Isso é tão certo como dois e dois são quatro. As árvores presentes no espaço são em grande maioria nativas sim, mas existem dois pés de eucaliptus que deveriam ser erradicados por serem originários da Austrália assim como alguns pés de Santa Bárbara originária da Índia e adjacências. Não saí pra fazer levantamento a respeito, mas devido ao fluxo de pessoas que trazem espécies diferentes deduz-se que devam existir outras plantas exóticas sim, mas em quantidade menos expressivas. É perfeitamente possível fazer um trabalho de manejo corretivo na área para adequá-la como de preservação de nativas transformando-a num museu a céu aberto – as placas de identificação das árvores existentes já sugerem isso. Concordo quando diz que devemos cuidar da Fazenda Refúgio ou da Mata dos Godoy ou do Parque Arthur Thomas, mas isso não exclui a necessidade de se providenciar a resolução do Bosque como área de preservação também. Portanto volto a defender algo tido como radical por alguns, mas sensato devido à realidade dos fatos: a falta de solução satisfatória como uma praça para freqüência de pessoas. 

Por outro lado, os pioneiros ali deixaram algo que representa um regalo aos nossos olhos e pulmões quando passamos ao lado. Só a presença da massa verde já cumpre com sua função no centro da cidade. Não é preciso tomar o bosque nas mãos para sentir seu efeito, pois desde criança sei que ver não é pegar. Não é preciso ter uma funcionalidade maior como um espaço pra lazer. Ali não deve ser tratado como um espaço de árvores para apenas enfeitar ou servir como área de lazer, mas sim um espaço que desenvolve uma relação entre elementos da Mata Atlântica subtropical encravada no coração de uma metrópole. Se considerar que como lazer seria para menos de vinte pessoas a coisa complicaria ainda mais. Pois então que o Bosque seja isolado com grades altas, fortes e maciças para impedir o acesso de marginais e deixar desenvolver a mata em paz. Além de servir como prova da consciência ambiental do nosso povo poderia ser também visitada de forma controlada tanto pelo cidadão comum, turistas, como por estudantes e pesquisadores, por exemplo. GIU LUIGI