quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

VÍDEOS DE AVIÕES - AVIAÇÃO - AEROPORTOS -

SERRA DO CORVO BRANCO - SANTA CATARINA

FOTO By PÂMELA LONARDONI FARINA
NA FOTO VEMOS PAULO AUGUSTO FARINA
E AS MONTANHAS...  É CLARO...  (RISOS)

REGIME DE CUBA É UMA FARSA

"capitalismo de Estado e miséria para o povo."


Pela reportagem que assisti agora na Globo o povo cubano sofre muito com o regime autoritário e totalitário de Fidel Castro. O salário mensal é de 17 dólares. O leite incluso na ração não dá para 15 dias. O alho é comprado por "dente". O gás, a água e a energia elétrica são racionados. Carros novos só para os funcionários do governo comunista. Gostaria de saber se José Dirceu, Genoíno, Lula e Chico Buarque encarariam uma vida dura assim? JOSÉ CARLOS FARINA


"A Cuba de hoje é um povo que tem fome, que em sua miséria material grita e espera por mudanças. Os baixos salários, a falta de moradia, água e eletricidade, a carência de medicamentos e a mísera ração de comida fazem-nos recordar de qualquer país latino-americano. Essas cenas podem ser vistas em qualquer rua de São Paulo, La Paz, Buenos Aires, Bogotá ou Lima. 

Esta não é uma imagem de um país socialista, tampouco de um Estado operário. Esta é a Cuba capitalista. É o que deixa claro um taxista em Santa Clara: “Aqui em Cuba tem capitalismo de Estado e miséria para o povo. A gente não tem comida, somente os que têm negócios conseguem melhores condições. Para o povo... o povo tem fome”. 

Uma imagem que ilustra a ruína econômico-social pela qual passa a ilha é a ração alimentar mantida pelo Estado, da qual depende a maioria dos cubanos. De acordo com especialistas (2), nos anos críticos da década de 90 (dito “período especial”), a ração mensal fornecida pelo Estado garantia alimentação para 20 dias. Atualmente, o que era insuficiente se tornou calamidade. A ração mensal garante apenas 12 dias de alimentação para uma família. WWW.PSTU.ORG.BR"

MADEIRA DE DEMOLIÇÃO EM PEROBA - ROLÂNDIA

FAÇA AQUI O SEU ANÚNCIO

ANTIQUÁRIO - MÓVEIS ANTIGOS - EM ROLÂNDIA - PR.

FAÇA AQUI O SEU ANÚNCIO

COMO SER BOM - LIÇÃO DE AMOR - SABEDORIA INDÍGENA




Uma noite, um velho índio falou ao seu neto sobre o combate que acontece dentro das pessoas. 
Ele disse: - A uma batalha entre dois lobos que vivem dentro de todos nós. 

Um é Mau - É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, orgulho falso, superioridade e ego. 
O outro é Bom - É Alegria, Fraternidade, Paz, Esperança, Serenidade, 
Humildade, Bondade, Benevolência, Empatia, Generosidade, Verdade, Compaixão e Fé. 

O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô: - Qual lobo vence? 

O velho índio respondeu:
- "AQUELE QUE VOCÊ ALIMENTA!"

LONDRINA - BARBOSA NETO MULTADO PELO TRIBUNAL DE CONTAS

FOLHAWEB


TC multa Barbosa por contratação de instituto

Conselheiro aponta ausência de documentos para justificar a dispensa de licitação
O Tribunal de Contas (TC) do Paraná multou o prefeito de Londrina Barbosa Neto (PDT) pela contratação por dispensa de licitação do Instituto de Promoção de Capacitação e Desenvolvimento (Iprocade), entidade sem fins lucrativos, responsável pela organização do concurso público realizado em dezembro de 2009 para preenchimento das vagas abertas na Guarda Municipal.

No acórdão publicado no último dia 28 de agosto na página do TC na internet, o relator do caso, conselheiro Nestor Baptista, decidiu pela aplicação da multa de R$ 1.256,86 ao prefeito, ''em razão da contratação de serviço sem o adequado processo de dispensa''. Ele ressalta, ainda, que a contratação direta, caso volte a ser feita, deve ser com pesquisa de preço e com garantias da ''melhor qualificação técnica'' da empresa escolhida. A representação contra o Barbosa Neto foi encaminhada ao TC pelo presidente da Câmara de Vereadores, à época, José Roque Neto. O voto do relator foi acatado por unanimidade pelos demais conselheiros do TC.

De acordo com o conselheiro, o município infringiu a legislação que trata das licitações na medida em que não considerou a ausência de documentos que comprovassem a ''inquestionável reputação ético-profissional'' do Iprocade. O TC ressalta também que, por se tratar de ''instituição recém-criada'', ''não há como falar em inquebrantável notoriedade pública''.

No voto, Baptista aponta também a falta de comprovação sobre melhor custo para que fosse firmado o contrato com o Iprocade por dispensa de licitação, pois ''nenhum documento neste sentido é encontrado nos autos''. Ele cita o entendimento do Tribunal de Contas da União (TCU), destacando os critérios que devem embasar a contratação no poder público: documentos comprobatórios de que inexistam outras empresas em condições de prestar os serviços, orçamentos detalhados de custos unitários e documentos que comprovem a realização de pesquisas de preços.

Na defesa apresentada ao TC, a Prefeitura de Londrina evoca o ''interesse público'' com a melhoria da segurança na cidade, que seria proporcionada pela criação da Guarda Municipal, e o ''poder discricionário de a administração escolher as formas de contratação''. No entanto, conforme relatou o conselheiro na decisão, ''a discricionariedade não consiste em uma prerrogativa ilimitada, pelo contrário, trata-se de uma margem de liberdade conferida ao administrador para que, dentro da legalidade, escolha a solução mais proporcional e adequada à satisfação do interesse público primário''.

Procurada, a assessoria de imprensa do prefeito Barbosa Neto informou que ele apresentou recurso ao próprio TC, contra a decisão. Mas, ontem, a assessoria não soube informar se o recurso já foi analisado pelo órgão. A FOLHA também não conseguiu falar com o TC, que está em recesso e deve voltar ao atendimento normal dia 6 de janeiro.

A Guarda Municipal também já foi o centro de outros problemas para o prefeito Barbosa Neto. Em agosto, o Ministério Público apresentou ação de improbidade administrativa contra ele por supostas irregularidades na contratação da empresa Delmondes & Dias, para realização de curso de treinamento para a Guarda Municipal.