sábado, 14 de janeiro de 2012

BLOG DO FARINA RECEBE ELOGIOS

PESQUISA SÉRIA PARA PREFEITO DE ROLÂNDIA NO BLOG DO FARINA

Peço que todos os nossos leitores   votarem nesta séria pesquisa. Ela vai até na véspera da eleição. Se faltou algum nome me comprometo a colocá-lo. Um abraço. Farina

FOTO DA SEDE DA FAZENDA GIUGALLA - ROLÂNDIA - PR.

AQUI VIVEU POR MAIS DE 70 ANOS  MICHAEL TRAUMANN E ONDE NASCERAM OS FILHOS DAVI, THOMAS, JONATHAN, ELIZABETH e ANDREW.  FOTO by JONATHAN  TRAUMANN


COMENTÁRIO RECEBIDO:  Oi Farina! Essa foto representa a decadencia...o fim. Onde uma vez houve movimento, alegria e a vida pulsava,agora nada mais é que uma casa velha,caindo aos pedaços, onde ronda a tristeza,recordações, e a solidão. É o ciclo da vida, né!  Um abração! Continue com seu blog, que é muito bom!
JONATHAN TRAUMANN
RESPOSTA: É assim com você... vai ser um dia comigo... todo mundo um dia passará por estas recordações alegres e tristes ao mesmo tempo.... A casa onde passamos a infância ao lado dos pais, irmãos, primos e amigos é sempre um lugar encantado ainda mais se obtivemos amor e proteção familiar, como é o nosso caso. Mas digo a você que é melhor chorar as doces recordações que a casa e o lugar nos traz do que se  não as tivéssemos vivido. Fomos e continuaremos  felizes por termos tido um boa família,uma infância e juventude saudável. Hoje somos felizes por dividirmos estas experiências com os filhos e netos. Um abraço a você e seus irmãos. Farina


ORANDO AO PAPAI DO CÉU

PAPAI DO CÉU...
PEÇO QUE CUIDE E PROTEJA  TODA
A MINHA FAMÍLIA...
DO MEU PAI.. DA MINHA MÃE..
DO MEU IRMÃOZINHO
E DO MEU CACHORRINHO
QUE ESTÁ AQUI AO MEU LADO...
AMÉM....

VÍDEO ROLÂNDIA FLORÍDA

A HISTÓRIA DOS TRENS ( TREM ) NO NORTE DO PARANÁ



Viajando de trem pelo Norte do Paraná 
By http://londrinahistorica.blogspot.com/ ( JONAS LIASCH )



Os primeiros habitantes de Londrina não tinham muitas opções de transporte para poder viajar, e a principal delas era, sem dúvida, o trem.



A Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná - SPP, de propriedade da Companhia de Terras Norte do Paraná, chegou a Londrina em julho de 1935, e operou até 1944, quando foi vendida ao Governo Federal, sendo incorporada à RVPSC - Rede Viação Paraná - Santa Catarina.



A foto acima, tirada por Francisco de Almeida Lopes, é da primeira estação ferroviária de Londrina, que ficou operacional entre 1935 e 1946.






Os trens de passageiros operaram em Londrina de 1935 a 1981, quando foram totalmente suprimidos.



(Carro de passageiros da SPP - Francisco de Almeida Lopes)






Os trens de passageiros da SPP eram tracionados por locomotivas a vapor, alimentadas a lenha, combustível bastante abundante na região naquela época. Eram compostos geralmente por uma locomotiva e seu tender, um carro de bagagem, três a quatro carros de passageiros e um vagão gaiola, de transporte de animais, (foto abaixo, de Francisco de Almeida Lopes).



A velocidade do trem era baixa, média de 40 Km/h, e as paradas eram muitas. Em média, havia uma estação a cada 15 Km de linha entre Londrina e Ourinhos, estação onde os passageiros deveriam fazer baldeação para os trens da Cia. Sorocabana, caso desejassem prosseguir viagem além. Somente entre Londrina e Cornélio Procópio, por exemplo, existiam nada menos que sete estações: Ibiporã, Jataí, Frei Timóteo, Serra Morena, Pirianito (atual Uraí), Congonhas e Catupiri.


(Estação de Jataí, por Francisco de Almeida Lopes)






Em todas as estações, acumulavam-se pilhas e pilhas de lenha, para abastecer os tenders. Enquanto os empregados da SPP colocavam água e lenha nos tenders, os passageiros desciam para fazer uma refeição rápida, esticar as pernas e, eventualmente, tirar fotografias.



(Estação de Santa Mariana, por Francisco de Almeida Lopes)





Em relação aos ônibus, os passageiros do trem eram poupados do suplício da poeira vermelha, fina e penetrante, mas, em compensação, estavam sujeitos à fumaça e às fagulhas lançadas pela locomotiva. 



(Estação de Cornélio Procópio - Francisco de Almeida Lopes)






A queima de lenha, ao contrário da queima do carvão, produz grande quantidade de fagulhas. Por isso, os passageiros costumavam viajar com roupas velhas, pois as fagulhas abriam buracos de queimadura nas mesmas. Ao longo da linha, a SPP mantinha equipes de trabalhadores encarregadas de apagar o fogo que as fagulhas ateavam ao mato cada vez que um trem passava.



(Estação de Congonhas - Francisco de Almeida Lopes)






A lenha era um combustível de baixo rendimento e, consequentemente, as locomotivas precisavam de mais lenha praticamente a cada parada.



(Estação de Bandeirantes - Francisco de Almeida Lopes)






O serviço prestado pela SPP era razoável, com uma organização típica dos ingleses, e os trens, ainda que lentos, costumavam ser pontuais. O mesmo não se pode dizer dos serviços da RVPSC. A qualidade do serviço caiu muito, os trens andavam sempre lotados e cada viagem era uma verdadeira epopéia.





A RVPSC foi incorporada a RFFSA em 1957, que promoveu, pouco tempo depois a dieselização da ferrovia, substituindo as velhas locomotivas a vapor, apelidadas de "Maria-Fumaça", por novas locomotivas diesel-elétricas GM EMD G-12, o que eliminou o incômodo das fagulhas e da fumaça, além de terem grande autonomia e não precisarem de reabastecimento frequente.



(Trem de passageiros saindo de Ourinhos para Maringá - Francisco de Almeida Lopes)






Aos poucos, os carros de madeira foram sendo substituídos por carros de aço, mais seguros, e as novas locomotivas passaram a tracionar trens mais longos e com maior velocidade, podendo manter uma média de 60 Km/h entre as estações.



(Estação de Ourinhos, nos anos 50 - Francisco de Almeida Lopes)






Com o asfaltamento das rodovias, no início dos anos 50, os ônibus começaram a ganhar vantagem em relação aos trens, que foram sendo deixados de lado e relegados à população de renda mais baixa, devido ao baixo preço das passagens, aproximadamente metade do preço para um lugar nos carros de segunda classe.



(Locomotivas G-12 e Maria Fumaça, no tempo da dieselização - Francisco de Almeida Lopes)






Nos anos 70, a FEPASA - Ferrovias Paulistas S/A, sucessora da Cia. Sorocabana, permitiu que seus carros Budd, de aço inoxidável, circulassem no Norte do Paraná, de Ourinhos a Maringá, o que evitava a incômoda baldeação em Ourinhos. Os trens que circulavam no Paraná eram tracionados, então, por locomotivas GM EMD G-22U, em duplas, e quando chegavam a Ourinhos, eram incorporadas a um outro trem, que vinha de Presidente Prudente, e daí seguiam para a Estação Júlio Prestes, em São Paulo, com tração elétrica.



(Trem da RFFSA com carros Budd, em Maringá, de partida para São Paulo - Blog Maringá Histórica)






Um detalhe interessante é que as passagens a partir de Ourinhos tornavam-se sensivelmente mais caras, diminuindo a grande vantagem que o trem tinha sobre os ônibus, que, ainda por cima, eram bem mais rápidos.



(Estação de Nova Dantzig, atual Cambé - Francisco de Almeida Lopes)






Ainda que os trens fossem lentos e os carros Budd fossem um tanto antigos, (foram comprados em 1952) o trem era razoavelmente confortável, muito espaçoso, e dispunha de carro-restaurante, que fornecia refeições prontas e de boa qualidade, a um preço bem acessível. Empregados da ferrovia também vendiam doces, salgados e bebidas a bordo do trem.



(Estação de Londrina nos anos 50 - Francisco de Almeida Lopes)






A pontualidade era uma característica dos trens nessa época, e os horários eram cumpridos rigorosamente. Os maquinistas eram selecionados entre os melhores, e esmeravam-se em parar e arrancar tão suavamente que alguns passageiros mal percebiam.



(Trem passando sobre a ponte do Rio Tibagi, na década de 30 - José Juliani)






A paisagem da região Norte do Paraná, especialmente no trecho entre Cornélio Procópio e Londrina, era bastante atraente para os passageiros dos trens, que serpenteavam entre as montanhas da Serra Morena, e a travessia do Rio Tibagi, a ponte mais longa do percurso, era um atrativo á parte.



(Ponte sobre o Rio Tibagi - Francisco de Almeida Lopes)






Por volta de 1978, um trem de passageiros típico que circulava na região tinha duas locomotivas G-22U, de 1600 HP cada uma, um carro-bagageiro, quatro carros de segunda classe, um carro-restaurante e dois carros de primeira classe, na cauda do trem.



(Estação de Rolândia nos anos 40 - Francisco de Almeida Lopes)






Em alguns casos, os carros-bagageiros e restaurantes eram supridos pela RFFSA, de Ourinhos a Maringá, enquanto os carros equivalentes da FEPASA seguiam para Presidente Prudente, ou ficavam em Ourinhos, para serem usados em outros trens.



(Estação de Rolândia nos anos 40 - Francisco de Almeida Lopes)






Infelizmente, nem com o baixo preço das passagens, os trens não puderam concorrer com os ônibus, cada vez melhores, mais rápidos e com mais opções de horário, e a RFFSA acabou suprimindo os trens de passageiros, cuja última viagem ocorreu em 10 de março de 1981.



(Trem da SPP atravessando a ponte sobre o Rio Paranapanema, entrando no Estado do Paraná - Francisco de Almeida Lopes).

PROPAGANDA DA COMPANHIA DE TERRAS NORTE DO PARANÁ


CORINTHIANS x FLAMENGO EM LONDRINA - INGRESSOS EM PROMOÇÃO HOJE

BONDENEWS

Divulgação/VipComm
Uma carga de 22,5 mil ingressos para arquibancadas descobertas terão preço diferenciado para o amistoso entre Flamengo e Corinthians, neste domingo (15), às 16 horas, no estádio do Café. 


Os ingressos serão vendidos a R$ 30 (R$ 20 meia) e um quilo de alimento não perecível até as 18 horas de sábado. Depois disso, o preço muda para R$ 40 reais (R$ 20 meia) e mais um quilo de alimento. 

Crianças até 8 anos não pagarão ingresso e aposentados terão direito a meia entrada, contribuindo também com um quilo de alimento. O ingresso para o setor de cadeiras (arquibancada coberta) custa R$ 60 (R$ 30 meia). Além de estudantes, terão direito a meia entrada aposentados, professores e cadeirantes. 

LONDRINA - Barbosa Neto faz Twitter e Facebook



BONDENEWS

O prefeito Barbosa Neto (PDT) já é conhecido nas redes sociais. Ele é uma das principais personalidades de Londrina que possui os famosos 'fakes' tanto no Twitter quanto no Facebook. Em meia à onda dos falsários, o prefeito resolveu agir e criar contas oficiais. 



Os registros de Barbosa no Twitter e no Facebook foram criados no início deste ano. Segundo o Núcleo de Comunicação da Prefeitura, ele entrou nas redes sociais para ampliar o contato com a população através da internet. 

No Twitter, o endereço do prefeito é @barbosaneto_ldb e, no facebook, para acessar o perfil do prefeito, a pessoa digita Homero Barbosa Neto na barra de buscas ou facebook.com/barbosaneto.ldb. 

"É um canal de comunicação muito importante. Vou procurar responder todas as mensagens", destacou o prefeito.

CARTA DE FARINA PUBLICADA NA FOLHA DE LONDRINA - 14/01


Governador Beto Richa... Se você (permita-me chamá-lo assim por ser ainda jovem) tivesse o amor que eu ( e seu saudoso pai)  tenho pela terra vermelha do norte do Paraná não teria afirmado que a nossa região não tem vocação para industrializar-se. Ora, se não fosse o arrojo, a coragem, a capacidade e o trabalho do pioneiro não tínhamos transformado a floresta virgem em cidades progressistas como Londrina, Maringá, Cornélio, Arapongas e Rolândia e tão pouco tempo (80 anos).  Amamos Curitiba, mas veja governador que esta cidade precisou de  mais de 200 anos  para chegar onde chegou. Pelo ritmo do desenvolvimento do norte do Paraná não precisaremos de tanto tempo assim para superarmos Curitiba, pois afinal possuímos melhores terras,  melhor clima e um povo muito trabalhador. Gostaria que em nome de tudo o que o seu saudoso pai representa para o norte do Paraná que você repense o nosso potencial e importância para o Estado e para o Brasil. Eu sou pé vermelho e tenho muito orgulho disso. Viva o Norte do Paraná, o melhor lugar do mundo para se viver. Eis o Link: http://www.folhaweb.com.br/?id_folha=2-1--1921-20120114 JOSÉ CARLOS FARINA - ROLÂNDIA-PR.
RESPOSTA DO GOVERNADOR VIA FACEBOOK
Bom-dia! Se for o texto sobre desenvolvimento regional, saiba que trabalhamos indistintamente para levar industrialização a todas as regiões do Paraná. O programa Paraná Competitivo foi criado para atrair novas empresas e ajudar na expansão daquelas já instaladas aqui. Investimentos no interior têm incentivos diferenciados. É lógico que tudo isso depende também da infraestrutura local, das boas condições das rodovias, dos aeroportos, portos e ferrovias. E é justamente para garantir essas condições que o governo está trabalhando. Buscamos novas linhas de financiamento, anunciamos mais de R$ 700 milhões em obras rodoviárias, investimos no porto e nos aeroportos. Paralelamente promovemos a capacitação de mão-de-obra - um dos fatores decisivos na definição de instalação de novas plantas industriais. O PRCompetitivo já trouxe para o nosso estado mais de R$ 9 bi em novos investimentos - 12 mil vagas de trabalho - e tem ainda outros R$ 15 bi em negociação. Grande abraço. BETO RICHA - GOVERNADOR