quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Crianças e jovens apresentam mais excesso que falta de peso, diz IBGE


Um terço das crianças brasileiras de 5 a 9 anos está com sobrepeso.

Relatório cita ainda queda na incidência de dengue e tuberculose no país.


As crianças e adolescentes brasileiros têm, em média, mais excesso de peso que déficit de massa corporal, segundo estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado nesta quarta-feira (28). De acordo com o relatório, 33,5% das crianças de 5 a 9 anos estão com sobrepeso, contra 4,1% com déficit de massa corpórea.
Chamado de Síntese de Indicadores Sociais 2012, o estudo reuniu dados de levantamentos anteriores do instituto, como a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2008 e 2009 - último período em que o estudo foi realizado - e a Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense).
Entre os jovens com 10 a 19 anos, um quinto ou 20,5% deles apresentam sobrepeso, contra 3,4% com "magreza" excessiva, indica o estudo. Os números sobre excesso de peso são preocupantes, diz a pesquisadora Bárbara Cobo, da área de indicadores sociais do IBGE e uma das responsáveis pelo estudo.
Percentual da população de crianças e adolescentes de acordo com a massa corporal divididos por faixa etária
 Déficit de pesoExcesso de pesoObesidade
População de 5 a 9 anos4,1%33,5%14,3%
População de 10 a 19 anos3,4%20,5%4,9%
Fonte: IBGE, Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009
Bárbara avalia que a alimentação desequilibrada e a pressa para comer são características do mundo dos adultos que também afetam os jovens. "Você precisa mudar os hábitos nas escolas, mas também em casa, precisa ser um trabalho em conjunto nos dois ambientes", diz.
Os temas da merenda e dos alimentos saudáveis na rede escolar têm sido muito debatidos, mas marecem atenção, afirma a pesquisadora.
A obesidade (estágio superior ao sobrepeso) também foi destacada no relatório recém-lançado. Pelo menos 11,8% das meninas e 16,6% dos meninos entre 5 e 9 anos foram considerados obesos, segundo o IBGE. No grupo de 10 a 19 anos, 4,9% das crianças apresentaram quadro de obesidade.
Nas escolas
A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), que integra o relatório, aponta que 16% dos jovens no 9º ano do ensino fundamental estavam com sobrepeso quando o estudo foi realizado, em 2009. Já o déficit de massa corporal atingia só 2,9% destes jovens, número bem menor do que os com excesso de peso. Outros 7,2% estavam obesos.
A pesquisa avalia o estado nutricional dos estudantes de todas as capitais brasileiras, segundo o IBGE. Apesar de as amostras analisadas serem distintas, o instituto afirma, no relatório recém-divulgado, que "os dados [da Pense] são coerentes com aqueles captados para o grupo de 10 a 19 anos de idade investigado na POF 2008-2009".
Dados regionais
A capital com maior número de estudantes do 9º ano do ensino fundamental acima do peso é Porto Alegre (20,1%), diz o IBGE. Na sequência estão Rio de Janeiro (18,3%) e Florianópolis (17,2%).
No caso das crianças de 5 a 9 anos, faixa analisada na POF, o excesso de peso é mais comum nas regiões Sudeste (39,7%), Centro-Oeste (37,9%) e Sul (36,3%). A situação é parecida com a encontrada entre os jovens de 10 a 19 anos - o sobrepeso é maior nas regiões Sul (26,9%), Sudeste (24,4%) e Centro-Oeste (23,9%), de acordo com o IBGE.
http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/11/criancas-e-jovens-apresentam-mais-excesso-que-falta-de-peso-diz-ibge.html

Surto de dengue ameaça cinco municípios


Cidades localizadas no Oeste do Paraná apresentam alto índice de infestação, segundo levantamento divulgado pelo MS
Londrina - O Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (Liraa) divulgado ontem pelo Ministério da Saúde indica que 77 municípios brasileiros estão em situação de risco para a dengue. Deste total, cinco estão localizados no Paraná, todos no Oeste, e oferecem risco de surto. O maior índice é o registrado por São Miguel do Iguaçu (8,7%) e na sequência vêm Santa Terezinha de Itaipu (4,8%), Foz do Iguaçu (4,7%), Santa Helena (4,1%) e Matelândia (4%). 

Segundo o coordenador da Vigilância em Saúde de São Miguel do Iguaçu, Antonio Sbardella, dois fatores contribuíram para que o município atingisse um índice tão elevado. O principal deles foi a seca que atingiu a região por 60 dias. ''Sem chuva, a população ficou mais despreocupada e descuidou dos objetos que acumulam água. Como voltou a chover nas duas últimas semanas, consequentemente, surgiram os focos'', explicou. 

Outro ponto que influenciou no resultado médio - que em setembro estava em 2% - foi o aumento do índice no parque industrial daquele município, que chegou a 14%. ''Nessa área há muito utensílio de metal que fica em desuso no pátio e acumula água'', justificou Sbardella. ''Além disso, a nossa região é complicada por ser vizinha do Paraguai, que neste ano já registrou 30 mil casos de dengue e 67 óbitos.'' 

Para combater os focos, os agentes de saúde e de endemias passaram a atuar exclusivamente contra a dengue, percorrendo os bairros e as áreas comerciais fazendo um arrastão de limpeza e trabalhos de orientação e conscientização. Conforme Sbardella, é a primeira vez que o município atinge um índice ''tão alto''. Neste ano, a cidade teve um pouco menos de 20 casos da doença. 

Em Santa Terezinha de Itaipu também estão sendo realizadas campanhas de conscientização em virtude do elevado índice apontado pelo Liraa. ''O período de estiagem contribui para não ter foco, mas a chuva torrencial que ocorre neste período é agravante'', explicou o diretor de Saúde, Jorge Soares Ferreira. 

Para ele, a tendência é que o índice fique ainda pior por causa da situação climática e também pelo período de férias, no qual muitas pessoas deixam as casas fechadas para viajar e, por isso, falta controle do acúmulo de água por parte dos moradores. A proximidade com Foz do Iguaçu e Paraguai também é um ''problema'', conforme Ferreira. O município teve três casos confirmados de dengue neste ano. 

Colaboração 

A pesquisa realizada em 1.239 municípios brasileiros mostra, ainda, que 375 cidades estão em situação de alerta para a dengue (índice de infestação entre 1% e 3,9%), enquanto 787 registraram índices considerados satisfatórios (menores que 1%). No Paraná, são 26 municípios em alerta e 27 com resultados satisfatórios. 

Em Goioerê (Centro-ocidental), o índice aumentou consideravelmente do Liraa realizado em setembro para o levantamento atual, saltando de 0,7% para 3,6%, o que coloca o município em alerta. Para a supervisora de Endemias, Leonice Rodrigues da Silva, o índice de infestação é resultado do ''descuido dos moradores''. ''Esperamos que eles colaborem para que consigamos diminir este número porque estamos em um período preocupante'', alertou, acrescentando que campanhas são conduzidas em toda a cidade com o objetivo de eliminar focos. 

Londrina também está em alerta, conforme a diretora de Vigilância em Saúde, Sandra Regina Caldeira. O último Liraa realizado pelo município apontou índice de 1%. ''É considerado baixo para o período, mas é um alerta. Não podemos baixar a guarda e devemos manter as campanhas preventivas pensando que o pico dos casos ocorre em dezembro, janeiro e fevereiro'', disse. 

Ações contínuas 

De acordo com a chefe do Departamento de Vigilância Ambiental da Secretaria de Estado da Saúde, Ivana Lúcia Belmonte, o aumento da temperatura e da umidade do ar fazem com que os ovos depositados pelos mosquitos no período do inverno eclodam com a mudança climática. ''Por isso, as ações contínuas realizadas durante o ano devem ser intensificadas nesta época'', defendeu. 

''É um momento de alerta porque estamos próximos do início do verão, que é um período crítico, com risco maior de epidemias. E a dengue já é endêmica no Estado'', completou. 

Ivana adiantou que o supervisor de Vigilância em Saúde da Sesa, Sezifredo Paz, se reuniu ontem com gestores dos municípios da região de Foz do Iguaçu, para definir ações a serem tomadas para diminuir esses números.(Com Agência Brasil) 


Aline Vilalva 

Reportagem Local
FOLHA WEB