quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Animal mais resistente do mundo


Animal mais resistente do mundo sobreviveria a uma guerra atômica

Todo mundo pensa na barata como o único animal capaz de sobreviver a uma catástrofe nuclear. Mas elas não superam os tardígrados, também conhecidos como ursos d'água. Os animais são extremamente adaptáveis, capazes de viver no frio extremo, no calor do deserto, no fundo do mar e sobreviveriam a um ataque atômico.
Em 2007, cientistas enviaram tardígrados para o espaço. Após ficarem expostos ao vácuo do espaço, onde é impossível respirar - e onde o nível de radiação é tão alto que seria capaz de matar um humano - alguns deles morreram. Mas os sobreviventes tiveram vida e reprodução normais. Apesar da aparência estranha, eles medem apenas 1mm,
A resistência dos tardígrados acontece por causa de uma habilidade especial. Eles conseguem permanecer em estágio de dormência, no qual "desligam" todos os seus sistemas e processos biológicos. Essa hibernação profunda os deixa blindados à ameaças externas. (vi no Daily Mail)

MISTÉRIO NO CÉU DO RIO DE JANEIRO HOJE


Mistério no céu do Rio. O que cariocas avistaram: queda de meteoro ou rastro de avião? http://glo.bo/Y9Bzzz Você viu?













Mistério no céu do Rio. O que cariocas avistaram: queda de meteoro ou rastro de avião? http://glo.bo/Y9Bzzz Você viu?

YOANI SANCHES SEJA BEM VINDA


Foto

FARINA RECEBE NOVO ELOGIO


Farina não pense que eu sou puxa saco, mas eu acho que vc tem todo merecimento pelo trabalho voluntário que realiza, se todas as cidades tivessem um Farina, com uma câmera e uma filmadora em mãos, as coisas seriam melhores....vc fala o que é certo, vc defende causas nobres, vc é honesto, é competente e acima de tudo tem amor pelo lugar em que nasceu e demonstra isso pra todas as pessoas e até para os que não gostam de vc por inveja e despeito. Meus elogios são sinceros e com muito respeito, eu fico muito feliz em poder trocar idéias com vc, e tenho em vc um exemplo a ser seguido de ambientalista e cidadão. (E.C.)
RESPOSTA:  PUXA... COMO É BOM OUVIR ISSO DE UMA PESSOA COMO VC. FICO MT FELIZ. SÓ POR ESTE ELOGIO SINCERO DIGO-LHE QUE VALEU A PENA TUDO O QUE FIZ, FAÇO E FAREI POR ROLÂNDIA E PELO NORTE DO PARANÁ. DEUS ABENÇOE VC E SUA FAMÍLIA.

VÍDEO ARAPONGAS QUER SALVAR E LIMPAR O RIO BANDEIRANTES

Blogueira Yoani Sánchez no Senado Federal


FARINA DISCURSA EM ARAPONGAS SOBRE O RIO BANDEIRANTES

FORMATURA NO 15º B.P.M. DIA 01 DE MARÇO


Soldados alunos 2º Classe do 5º BPM e 15ºBPM ensaiam para a grande solenidade de formatura no próximo dia 01 de Março. Contagem regressiva para esses novos Policiais Militares. 20-02-13.

  • Eliandro Piva (TEXTO E FOTO)
    Soldados alunos 2º Classe do 5º BPM e 15º B.P.M. ensaiam para a grande solenidade de formatura no próximo dia 01 de Março. Contagem regressiva para esses novos Policiais Militares. 

FOTO DE LONDRINA NOS ANOS 50


(Estação de Londrina nos anos 50 - Francisco de Almeida Lopes)

" CARGA DOIDA " DE CAMINHÃO


BLOG DO FARINA PARTICIPA DO MOVIMENTO EM FAVOR DO RIO BANDEIRANTES

LOGO MAIS EXIBIREMOS O VÍDEO DA REUNIÃO OCORRIDA EM  ARAPONGAS ONTEM ( 19/02)

ROLÂNDIA - JOVEM BALEADO NO "SÃO FERNANDO"

Acaba de chegar a redação uma notícia dando conta que um jovem conhecido como Chaves ( Thiago Vidigal de 18 anos)foi baleado esta noite (19/02) no Conjunto São Fernando em Rolândia. O autor da tentativa de homicídio teria sido um rapaz conduzindo uma moto de cor vermelha.  A  vítima foi encaminhada à Londrina em estado grave, correndo risco de morte. Nas próximas horas estaremos informando motivos do crime que estão sendo investigados pela polícia. JOSÉ CARLOS FARINA

FARINA CONTESTA HISTORIADOR DE LONDRINA ( HOTEL ROLÂNDIA )

(CARTA ENVIADA À FOLHA DE LONDRINA) Concordo parcialmente com a opinião do historiador Marco Antonio Neves Soares sobre a falta de visão das autoridades de Rolândia que não se empenharam para comprar o Hotel Rolândia e que também não estão cuidando adequadamente das madeiras adquiridas para futura reconstrução (Folha de Londrina, Espaço Aberto, 20/02 - pág. 2). Na verdade, pode ser muito pouco a aquisição destas madeiras, mas elas somente foram adquiridas após este missivista ajuizar uma Ação Popular contra o prefeito Johnny Lehmann e contra a prefeitura para que este patrimônio histórico e cultural fosse preservado. Mas concordo integralmente com a opinião de Marco Antonio no sentido de que muito pouco se fez e se faz para preservar a história do norte do Paraná. No caso de Rolândia, em uma população de 60.000 habitantes apenas eu preocupei-me com a preservação do Hotel Rolândia. Pela  vontade do restante da população o Hotel Rolândia já tinha virado móveis finos nas grandes cidades brasileiras. Mas de qualquer forma agradeço o eminente historiador em se preocupar com a história da minha cidade, a cidade que eu nasci e que sempre amarei. Obrigado. TEXTO  e FOTO de JOSÉ CARLOS FARINA

EIS A MATÉRIA REBATIDA:

ESPAÇO ABERTO - Agonia e morte do Hotel Rolândia
É fundamental que as novas gestões dos municípios do Norte do Paraná estabeleçam políticas públicas de conservação e preservação dos bens edificados de cunho histórico
O Norte do Paraná é uma das regiões do País que, mesmo distante do litoral e das capitais, mesmo tendo uma história muito recente, as suas memórias e os seus patrimônios marcam profundamente as suas identidades cotidianas. As universidades oferecem cursos de pós-graduação na área patrimonial, que a cada ano recebem um número maior de interessados nas questões que envolvem as histórias locais, sem o viés clientelista do pioneirismo, reconhecendo que todos os cidadãos colaboram para a construção deste espaço, uma vez que simultaneamente marcam e são marcados por ele. 


No entanto, via de regra, o poder público tem se omitido nessa questão, ameaçando a integridade dos bens edificados reconhecidos como históricos. O caso mais flagrante e visível desta omissão foi o do Hotel Rolândia. Construído em 1932, ele era um marco, não apenas para aquela localidade, mas para todo o Norte do Paraná e para a história da imigração no Brasil. Diferentes gestões ignoraram sua importância, mantendo-o nas mãos privadas mesmo quando já não tinha condições técnicas de funcionar como um hotel. E nada de virar museu, memorial do imigrante ou um espaço cultural. Os ex-proprietários colocaram o edifício à venda, e nem assim a municipalidade de Rolândia se interessou em proteger e salvar o hotel. Ao que se sabe, nenhuma proposta de compra foi feita pela prefeitura, sequer uma assessoria foi formada para debater a questão e propor as soluções, como um processo de desapropriação, por exemplo. 


Depois de alguma grita da população e da imprensa, a Prefeitura de Rolândia teve a mais infeliz das ideias: desmontar o hotel na pretensão de manter ao menos sua fachada. Sem técnica e sem método, o prédio não foi desmontado, foi demolido e seus restos amontoados de qualquer maneira em um galpão sem proteção contra a insolação, umidade e furtos. Resultado: é pouco provável que possamos ver novamente a fachada do Hotel Rolândia, e a vocação turística da região fica ameaçada, uma vez que por falta de uma política patrimonial consistente, simulacros são construídos, na tentativa de tornar uma cidade multiétnica como Rolândia, em uma cidade alemã. O pode público optou por inventar tradições ao invés de proteger eficazmente as edificações que fizeram e fazem a sua história. 


Outros lugares de memória em Rolândia estão ameaçados, são descaracterizados ou destruídos sem que a população e as instituições interessadas na defesa desse patrimônio tenham tempo de se mobilizar. Isso é agravado quando se observa que a maior parte desses bens está em mãos privadas, que não têm nenhuma preocupação na sua preservação, e o poder público, que poderia ser um órgão fiscalizador e orientador da manutenção das características históricas, se omite. O conjunto da fazenda Gilgala já foi destruído, a Fazenda Janeta tem sido reformada, retocada, mudada sem nenhum acompanhamento técnico necessário e o conjunto da Igreja do São Rafael, se não for feito nada, brevemente nada dirá às gerações futuras. 


Os erros que envolvem a destruição do Hotel Rolândia servem de alerta. É fundamental que as novas gestões dos municípios do Norte do Paraná estabeleçam políticas públicas de conservação e preservação dos bens edificados de cunho histórico, pois como nos alerta um belo samba, pensar o futuro implica em não esquecer o passado. 


MARCO ANTONIO NEVES SOARES 


é professor do departamento de 
História e coordenador do Centro 
de Documentação e Pesquisa Histórica 
da Universidade Estadual de Londrina