domingo, 9 de junho de 2013

A PRIORIDADE EM ROLÂNDIA É A SAÚDE ( MAIS MÉDICOS )


Um novo Posto de Saúde não vai adiantar nada. Rolândia já tem vários Postos de Saúde sem médicos. Nos finais de semana os postos não atendem e aparece um grande contingente de  pessoas no Hospital São Rafael, todos de uma vez em busca de socorro. A Solução só pode ser uma: Mais médicos... como pode um médico sózinho atender 20 ou 30 de uma vez? Ele terá que largar um caso urgente para atender outro urgente enquanto outro urgente já está chamando a polícia e o Cobra lá fora.... Em uma situação destas todos têm razão, mas o que não podemos mais é perder vidas humanas. Dizem que a prefeitura tem mais de 200 cargos de confiança. Proponho que se despeça a metade destes "companheiros" e com a economia se contrate mais médicos para o São Rafael ou para o Postos de Saúde. O que não pode é continuar assim... Quem é pago para cuidar do povo tem que dar uma solução. Rolândia espera que Johnny Lehmann largue de destruir áreas históricas ( leia-se Parquinho, árvores da rua e Hotel Rolândia) e cuide melhor da saúde do seu povo. Que se faça uma reunião ainda hoje com toda a equipe de Hospital e analise o que está faltando. Solução já!... JOSÉ CARLOS FARINA

VÍDEO DA CAMINHADA ECOLÓGICA 2013 By FARINA

ROLÂNDIA - APOIO AO PARQUINHO ( SILVANA )

Silvana Gimenez É uma situação muito difícil,é uma vergonha o povo morrendo por falta de médico,e ele querendo fazer mais posto de saúde,o dinheiro que ele quer destruir o parquinho,porque não pagar médicos,se não tem médico é porque não tem dinheiro pra pagar,acorda povo de Rolãndia,ele quer mais que todos se explodam.

RESTAURANTE JANTAR ALMOÇO LANCHE PIZZA EM ROLÂNDIA

LIGUE PARA ANUNCIAR... 3256-1908












ROLÂNDIA - EURIDES MOURA É A FAVOR DO PARQUINHO

VAL MARCHIORI ORGANIZA A FESTA DO CASAMENTO COM EVALDO ULINSKI

DivulgaçãoVal proibiria convidados com roupas alugadas em casamento

A socialite fez uma lista do que não deixaria entrar em sua festa glamurosa
Redação Bonde
Val Marchiori está de casamento marcado com o pai  de seus filhos, Evaldo Ulinski, 69, dono da rede Big Frango. Ela já está se organizando para a festa, que deve ter todo o requinte, atendendo aos gostos da socialite. Para garantir que nada saia do planejado, ela fez uma lista de coisas que não poderia entrar em sua festa glamurosa. Em entrevista à revista Contigo  ela elencou vários ítens, incluindo as vestes dos convidados.   "Convidados com roupas alugadas e pessoas mal vestidas. Isso sempre vai ter, mas se desse, eu proibiria", brincou Val.  Estacionar o carro na rua e usar bijuterias, de qualquer tipo, também estão na lista negra de Val.  Ela também é exigente quanto aos pratos servidos na festa. "Coxinha, risoles, salgadinhos e afins. Pode até ser gostoso, mas como entrada de casamento de rico, não. Hello!", disse. (Com informações F5/Folha de São Paulo) Obs.: Ex-mulher de bar pode entrar?

MAIS APOIO AO PARQUINHO ( CELIA )

Celia Cordeiro TA MUITO LINDO NAO ME ENTRA NA CABEÇA PENSAREM EM ACABAR COM O PARQUE ONDE EU PASSAVA QUANDO MORAVA AI E SAIA MAIS CEDO DA ESCOLA MUITAS LEMBRANÇAS NESSE PARQUE.

Trem Pé-Vermelho está mais próximo de sair do papel

FOLHA DE LONDRINA - FOTO By JOSÉ C. FARINA

Ligando Paiçandu a Ibiporã, projeto vai ser submetido a audiência pública dia 20 de junho


FARINA ALERTA: A DIFICULDADE SERÁ A ESTAÇÃO DE LONDRINA LONGE DO CENTRO.
O Trem Pé-Vermelho, entre Paiçandu e Ibiporã, tem grande chance de sair do papel. Seu estudo de viabilidade, que foi realizado pela Universidade Federal de Santa Catarina (USFC), será submetido a audiência pública pelo Ministério dos Transportes, dia 20 de junho, em Apucarana. Com custo total estimado em R$ 700 milhões, o projeto para o transporte de passageiros tem 152,6 km de trilhos, servindo a 13 cidades que concentram juntas 1,8 milhão de pessoas. 


O trem faz parte do Programa de Resgate do Transporte Ferroviário de Passageiros, do governo federal. 



"Foram estudados 68 trechos no País e 14 selecionados como viáveis. O nosso trecho ficou no topo da lista dos mais viáveis", afirma o vice-presidente da Agência Terra Roxa de Desenvolvimento, Fernando Kireeff. Na semana passada, ele apresentou o projeto a um grupo de empresários italianos, em Curitiba. 



Inicialmente, o estudo previa a ferrovia entre Maringá e Londrina. Mas prefeituras e entidades da região pediram ao Laboratório de Transporte e Logística Lab Trans, da UFSC, responsável pelo estudo de viabilidade, a inclusão do município de Paiçandu, na Região Metropolitana de Maringá, e de Ibiporã, na de Londrina. 



A proposta é que a composição saia de Paiçandu, passe por Maringá, Sarandi, Marialva, Mandaguari, Jandaia do Sul, Cambira, Apucarana, Arapongas, Rolândia, Cambé, Londrina e Ibiporã. 



Contrariando a estimativa inicial, o estudo concluiu que não será possível aproveitar os trilhos hoje existentes no trecho. O engenheiro de transporte, professor da UFSC e coordenador do estudo, Rodolfo Nicolezzi Philippi, explica que o programa do governo federal prevê o tráfego mútuo de cargas e passageiros, desde que um não prejudique o outro. O Lab Trans contou 13 pares de trens de carga diários operando entre Londrina e Maringá. "A via dá mostras de capacidade esgotada no segmento Londrina – Apucarana", afirma. 



A viagem entre as duas cidades pela linha concedida hoje à ALL Logística demorou nove horas. Por isso, decidiu-se pela construção de uma nova ferrovia, que deve ficar a poucos metros à direita da atual (sentido Londrina-Maringá). 



Segundo o professor, dos 14 trechos selecionados em todo o País, o do Norte do Paraná é o segundo com processo mais adiantado. 



"Finalmente, existe uma política de transporte ferroviário dentro do Ministério dos Transportes. O governo está fazendo este trabalho com seriedade", ressalta. 



O geógrafo e professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Fábio César Alves da Cunha Cunha considera que "qualquer região que deseja se desenvolver necessita de um sistema ferroviário de passageiros". Ele lembra que Londrina e Maringá já tiveram esse meio de transporte. 



Cunha ressalta que o modal ferroviário é mais rápido, seguro e barato. 



Ele destaca a possibilidade prevista no estudo de viabilidade de se criar, num primeiro momento, o eixo entre Ibiporã e Cambé e o entre Paiçandu a Mandaguari. E, num segundo momento, completar todo o trecho. "Parece ser uma boa proposta, só que, na minha opinião, as cidades de Arapongas e Apucarana já deveriam fazer parte do primeiro eixo", destaca. 



Para o professor, o sucesso do projeto depende da oferta de uma tarifa mais barata e de o trem ser mais seguro e acessível. Além disso, é preciso conjugar a ferrovia com o transporte rodoviário.


Nelson Bortolin
Reportagem Local