terça-feira, 23 de julho de 2013

DOMINGUINHOS DA SANFONA MORREU

23/07/2013 

Dominguinhos morre aos 72 anos em hospital de São Paulo

Músico lutava havia seis anos contra um câncer de pulmão.
Ele havia sido transferido para a capital paulista em 13 de janeiro.

Do G1 São Paulo
420 comentários
SELO DOMINGUINHOS (Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem/AE)Músico Dominguinhos morreu nesta terça-feira em
SP (Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem/AE)
O músico Dominguinhos morreu nesta terça-feira (23), aos 72 anos, no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Ele lutava havia seis anos contra um câncer de pulmão. De acordo com o hospital, o músico morreu às 18h em decorrência de complicações infecciosas e cardíacas.
Ao longo do tratamento, ele desenvolveu insuficiência ventricular, arritmia cardíaca e diabetes. Dominguinhos foi transferido para a capital paulista em 13 de janeiro. Antes, esteve internado por um mês em um hospital no Recife. A filha do músico, Liv Moraes, confirmou nesta segunda-feira (22) que o cantor havia voltado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) porque o estado de saúde dele tinha piorado.
Considerado o sanfoneiro mais importante do país e herdeiro artístico de Luiz Gonzaga (1912-1989), José Domingos de Morais nasceu em Garanhuns, no agreste de Pernambuco. Conheceu Luiz Gonzaga com 8 anos. Aos 13 anos, morando no Rio, ganhou a primeira sanfona do Rei do Baião, que três anos mais tarde o consagrou como herdeiro artístico.
Instrumentista, cantor e compositor, Dominguinhos ganhou em 2002 o Grammy Latino com o “CD Chegando de Mansinho”. Ao longo da carreira, fez parcerias de sucesso com músicos como Gilberto Gil, Chico Buarque, Anastácia e Djavan.
Ainda criança, Dominguinhos tocava triângulo com seus irmãos no trio “Os três pinguins”. Quando ele tinha 8 anos, foi “descoberto” por Gonzagão ao participar de um show em Garanhuns. A “benção” lhe foi dada pelo rei do baião quanto tinha 16 anos.
 Dominguinhos durante apresentação em São Luis do Paraitinga em 2011. (Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo)
Dominguinhos em apresentação em São Luís do
Paraitinga (Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo)
“Gonzaga estava divulgando para a imprensa o disco 'Forró no Escuro' quando ele me apresentou como seu herdeiro artístico aos repórteres”, lembrou-se Dominguinhos em entrevista ao G1 no fim de 2012. “Foi uma surpresa muito grande, não esperava mesmo.”
De acordo com ele, o episódio aconteceu somente três anos depois de sua chegada ao Rio, acompanhado do pai, o também sanfoneiro Chicão. Mudaram-se para a cidade justamente para encontrar Luiz Gonzaga. “Em cinco minutos, ele me deu uma sanfona novinha, sem eu pedir nada”, prosseguiu. Naquele período, Dominguinhos saiu em turnê com o mestre para cumprir a função de segundo sanfoneiro e, eventualmente, de motorista.
Centenário de Gonzagão
No fim de 2012, Dominguinhos se dedicou ativamente às celebrações dos cem anos do nascimento de Luiz Gonzaga. Durante um show no dia centenário, 13 de dezembro, realizado na terra natal do músico, Exu (PE), Gilberto Gil comentou: “Dominguinhos teve a herança do Gonzaga, que ele incorporou, através das canções, dos estilos, o gosto pelo xote, xaxado”. 

Para Gil, no entanto, Dominguinhos soube trilhar um caminho próprio. “Dominguinhos foi além, em uma direção que Gonzaga não pôde, não teve tempo. Ele foi na direção do início de Gonzaga, o instrumentista, da época das boates do Mangue, no Rio de Janeiro, quando ele tocava tango, choro, polca, foxtrot, tocava tudo, repertório internacional, tudo na sanfona. ”

ROLANDENSE É ENCONTRADO MORTO COM CERCA DE QUATRO TIROS!!!

Nesta manhã de terça-feira (23) policiais do Setor de Homicídios encontraram o corpo do empresário Edimir Tadeu Tamparowski, 50 anos, dono de uma transportadora em Rolândia. Foram encontradas quatro perfurações causadas por arma de fogo. O homem estava às margens da PR 317, na saída de Toledo sentido município de Ouro Verde do Oeste. Edimir desapareceu na tarde da última segunda-feira (22) quando saiu com o veículo C-4 Pallas, o carro não foi localizado. Como o carro sumiu a polícia trabalha com a hipótese de latrocínio. Detalhes, Amanhã, na Rádio Jovem Pan, ás 06h45 e ás 12h25 no Balanço Geral (COBRA REPORTER).

FOTOS ANTIGAS DO NORTE DO PARANÁ - LONDRINA e ROLÂNDIA - 1930 a 1960

PESQUISA DE JOSÉ CARLOS FARINA / COLABORAÇÃO -  PROFESSOR FELIPE - JOSÉ JULIANI -
HANS KOPP - YUTAKA - ABÍLIO MEDEIROS, JOSÉ ORGUIZA  e MUSEU HISTÓRICO DE LONDRINA

















INAUGURAÇÃO DA FERROVIA EM 1936











CENTRO DE LONDRINA - 1930











CENTR0 - 1930

















CONSTRUÇÃO DA PONTE SOBRE O RIO TIBAGI - 1935












1936 -  INAUG. CASAS FUGANTI











1930 - CASAS DO CENTRO DA CIDADE











DÉCADA DE 30 - AV. PARANÁ DEPOIS DE UMA CHUVA












LONDRINA - 1936











1930 - 1º ESTABEL. COMERCIAL












WILIE DAVIDS E O 1º GADO - 1930

















GEORG CRAIG SMITH - CHEGOU COM A 1ª CARAVANA

















JOSÉ JULIANI - O 1º FOTÓGRAFO













DEMOLIÇÃO EM 1960 DA CATEDRAL DE 1930












1ª PREFEITURA - 1936











DÉCADA DE 30 - AV. RIO DE JANEIRO

















POSSE DO 1º PREF. WILIE DAVIDS E VEREADORES










29/07/1935 - 1º TREM












DÉCADA DE 30 - AV. PARANÁ COM RIO DE JANEIRO












DÉCADA DE 30 - CAIXA D´ÁGUA DO CENTRO












1934 - AV. SÃO PAULO - RES. DE ARTHUR  THOMAS













1933 - CASA DE ANGELO VICENTINI












1930 - BARRAGEM DO CAMBEZINHO - P/GERAR ENERGIA ELÉTRICA












CASA DA USINA HIDRELÉTRICA - 40 HP - DÉCADA DE 30













1930 - CELSO  GARCIA E SUA CATITA

















1930 - PLAINA PARA ABRIR ESTRADAS E RUAS










VENDA DE SECOS E MOLHADOS NO CENTRO - 1930











HOTEL LUXEMBURGO - DÉCADA DE 30












1ª CASA DE TIJOLOS 1936 - LARIONOFF













FLORESTA DE PINHEIROS - ATUAL JD. LONDRILAR












1º HOSPITAL - 1935

















AV. PARANÁ EM 1933











COMERCIO  DE DEQUECH AV. DUQUE DE CAXIAS











1ª IGREJA - 1930












LONDRINA 1937













TROPEIROS 1930












RES. DE ALEXANDRE RASGULAFF












TODOS OS CARROS - 1937












CAMINHÕES NA DÉCADA DE 30












DECADA DE 30 - PEROBAS DO CENTRO











1941 - FERROVIÁRIA - VISITA DO INTERV. MAN. RIBAS












FIGUEIRA DO CENTRO DA CIDADE - DÉCADA DE 30










VISITA DE EURICO GASPAR DUTRA












ESCOLA JAPONESA












INAUG. COL. LONDRINENSE - 1940











PIONEIROS CHEGANDO EM 1932












DESFILA NA AV. PARANA´- 1940












VISITA DO PRES. EURICO DUTRA 1948












INAUG. AGENCIA  FORD 1936













INICIO DAS OBRAS COLEGIO HUGO SIMAS











CASA NO CENTRO DA CIDADE












DÉCADA DE 30 - CRIANÇAS BRINCAM NO BOSQUE

















FAZENDA DO BULLET











CASA DE DAVID DEQUECH












INAUGURAÇÃO DA LUZ ELETRICA 1938











LONDRINA 1932 POR HANS KOPP











LONDRINA 1934 - P0R HANS KOPP












LONDRINA 1934 - POR HANS KOPP













LONDRINA 1931
JOSÉ CARLOS FARINA











DÉCADA DE 60












LONDRINA - 1940

















LONDRINA - DÉCADA DE 50 - A MAIORIA
DOS MENINOS VESTIAM-SE ASSIM












LONDRINA - DÉCADA DE 50












LONDRINA - DÉCADA DE 50







































DÉCADA DE 50

Catedral antiga de Londrina. Ficava
no mesmo local em que está a Catedral atual.
CATEDRAL ANOS 50
RODOVIÁRIA ANOS 50
ANOS 50
MARIA FUMAÇA ATRAVESSANDO O TIBAGI - DÉCADA DE 30
DÉCADA DE 50

1960



A Avenida Rio de Janeiro, esquina com a Rua Sergipe. O calçamento em paralelepípedos era típico da época, e ainda subsiste, em muitos pontos, recoberto pelo asfalto.


Rua Minas Gerais, em frente à Associação Comercial e Industrial de Londrina
(foto abaixo, de Yutaka Yasunaga - acervo do Foto Estrela).

Foto: Yutaka Yasunaka


ANOS 60


17.


18.
ão
Reprodução

1941






















































 veículo a popular apelidado  de "balaio das putas".  Na época das grandes fortunas do café, o apelido das charretes se estendeu ao aviões que traziam novas "meninas" de São Paulo para Londrina, "encomendadas" pelos novos ricos da cidade.


ANOS 50












ANOS 50






















































JULHO DE 1975