quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

PARA JOHNNY LEHMANN e MARCIO KOLARIVICKS

Olha aí José Carlos Farina , é disso que eu tô falando... e tem gente que vem dizer que uma árvore "atrapalha" câmeras de segurança ? ... falá sério....

Homem é encontrado morto em Jaguapitã depois de 4 dias desaparecido

Alexandro Marinho Massarute estava desaparecido desde o dia 20 de fevereiro

  O corpo do Alexandro Marinho Massarute, 38 anos, foi encontrado na tarde da segunda-feira (24) em uma plantação de soja em Jaguapitã, município onde morava, depois de quatro dias de seu desaparecimento – Sandro, como é conhecido em Jaguapitã, estava desaparecido desde a quinta-feira 20.  Ele foi encontrado dentro do Corsa de sua esposa numa plantação de soja próxima ao Posto Rodoviário Policial.

  Seu irmão, Paulo Cezar Massarute, comunicou seu desaparecimento à Polícia Militar no sábado 22 e também relatou que Sandro estava com sintomas de depressão e que corria riscos, pois fazia hemodiálise três vezes por semana em Londrina. Os familiares chegaram a ligar para a clínica em Londrina e descobriram que ele não tinha ido fazer o tratamento.

  A reportagem do Jornal de Rolândia entrou em contato com o delegado de Jaguapitã, Maurício de Oliveira Camargo, que disse que foi instaurado um inquérito policial para investigar a morte de Sandro. “Em um primeiro levantamento, nada nos mostrava que foi uma morte violenta. Mas vamos ver se aparece alguma coisa o decorrer do inquérito”, ressaltou o delegado, que está em Jaguapitã há um ano.

  Sandro Massarute deixou a esposa e três filhos: uma moça de 19 anos, uma adolescente de 15 e um menino de 10 anos de idade. Ele foi sepultado na terça-feira 25.
Fonte: Jornal de Rolândia.

Com tratoraço, deputados aprovam auxílio-moradia para juízes do Paraná

JORNAL DE LONDRINA

25/02/2014 | 19:03Gazeta do Povo, com informações de Chico Maré 

Projeto passará por 2ª discussão ainda nesta terça. Mesmo sem valores estipulados no projeto, estima-se que o benefício poderá custar até R$ 3,3 mil, mensalmente, para cada juiz e desembargador.



A Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) aprovou, nesta terça-feira (25), em 1ª discussão, o projeto que cria o auxílio-moradia para juízes e desembargadores do estado. O placar foi de 41 votos a favor, e 8 contra a proposta, que recebeu três emendas. A discussão aconteceu em Comissão Geral, ou seja, o plenário adquire capacidade de aprovar o projeto que deveria passar antes nas comissões do Legislativo, o que acelera a tramitação e, por isso, chamado de "tratoraço". Enviado à Casa Legislativa no fim do ano passado pelo Tribunal de Justiça (TJ), o projeto, que regulamenta o pagamento por decreto, não estabelece quem terá direito a recebê-lo. 
Mesmo sem valores estipulados, estima-se que o benefício poderá custar até R$ 3,3 mil por magistrado mensalmente. Segundo dados disponíveis no site do TJ, atualmente existem 818 magistrados vinculados ao órgão, o que geraria uma despesa mensal extra de cerca de R$ 2,7 milhões.

Os deputados votarão ainda três emendas levantadas durante a 1ª discussão e que limitam a concessão do benefício. Uma impede que aposentados e pensionistas recebam o auxílio. A segunda, impede pagamentos retroativos. Pelo clima da Casa, estas duas emendas devem ser aprovadas com facilidade. Já a terceira, que retira da lista de beneficiários os magistrados que possuam residência no mesmo município em que trabalham, deve ser disputada voto a voto. 

O documento da proposta apenas inclui o benefício entre as vantagens que um juiz ou desembargador pode receber no Código de Organização e Divisão Judiciárias. Na prática, isso permite que toda a regulamentação do benefício, incluindo seu valor e sua extensão, poderá ser determinada pela presidência do TJ por decreto, sem necessidade de uma nova discussão na Assembleia. Uma das dúvidas da proposta - da forma em que ela foi enviada à Assembleia - é se ela vale para magistrados aposentados ou só para quem está na ativa, por exemplo. 

A legalidade do projeto foi votada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia na semana passada. O relator da proposta foi o deputado Alexandre Curi (PMDB), que considerou a proposta constitucional. Ademar Traiano (PSDB), Bernardo Ribas Carli (PSDB), Pedro Lupion (DEM), Hermas Brandão Júnior (PSB) e Caíto Quintana (PMDB) votaram a favor na CCJ. Tadeu Veneri (PT), Péricles de Mello (PT) e Pastor Edson Praczyk (PRB). 

Na justificativa do projeto, o TJ alega que a proposta visa dar “simetria” às carreiras dos magistrados com a dos promotores do Ministério Público Estadual (MP). Os deputados disseram, entretanto, que os promotores não tem o benefício. 

Entenda o caso 

Assinado pelo desembargador Guilherme Luiz, o projeto que trata do auxílio-moradia criado pelo Tribunal de Justiça do Paraná foi enviado à Assembleia Legislativo em dezembro do ano passado.Em um documento de apenas três páginas, o órgão propõe o benefício, sem, contudo, fazer qualquer menção a valores ou a critérios para a concessão. 

Sobre a implantação do auxílio, o TJ argumentou, na época, que a proposta se adequa à Lei Orgânica da Magistratura Nacional, ignorando recentes decisões liminares do CNJ que determinaram a suspensão das resoluções que fixam pagamentos semelhantes a magistrados de pelo menos cinco tribunais, incluindo o Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR). 

No início de fevereiro, durante análise da Comissão de Constituição e Justiça da Alep, a propostachegou a ter sua tramitação ameaçada. Alegando não ser o momento oportuno para a votação do projeto, o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Valdir Rossoni (PSDB), disse que pretendia interromper a tramitação na Casa e que a questão teria que ser rediscutida com o presidente do TJ. 

Entretanto, com a aprovação da implantação pela CCJ e pela Comissão de Finanças, o projeto seguiu para votação no plenário. A votação aconteceu em comissão geral, uma manobra regimental do Legislativo que permite a aprovação da proposta em um único dia, sem passar pelas comissões temáticas da Casa.

VEM AÍ MAIS UMA EDIÇÃO DO TORNEIO DE FUTEBOL PRIMEIRO DE MAIO

alt
E-mail

 



 A secretaria de Esportes do Município de Rolândia informa que estão abertas as inscrições para o Torneio de Futebol 1º de maio.
Dirceu de Mattos, secretário de esportes do município, informa que este ano o torneio terá uma fase eliminatória no dia 13 de abril e depois no dia Primeiro de maio a fase final do campeonato.
Interessados podem retirar as fichas de inscrição na secretaria de esportes, de segunda a sexta-feira, das 08:00h às 11:00h, ou das 13:00h às 17:00h.