quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Marcha dos professores reúne 46 mil em Curitiba


BONDE NEWS

Adriana De Cunto - Equipe Folha


Cerca de 46 mil pessoas participam da marcha organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP Sindicato) na manhã desta quarta-feira (25). A estimativa é do presidente da entidade, Hermes Silva Leão, que chegou pouco antes das 11 horas, no Palácio Iguaçu, para a terceira reunião entre APP e governo do Estado. 

Theo Marques/Equipe Folha


Grupos de professores vindo do interior do Estado se juntaram com servidores da capital e a marcha não se restringe a docentes, mas conta com representantes de várias categorias, assim como estudantes de instituições estaduais de ensino superior e alunos do curso de pedagogia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). O tradicional bloco de carnaval de Curitiba, Garibaldis e Sacis, também aderiu à manifestação . 

Por volta do meio-dia, a marcha organizada pela APP Sindicato se reuniu em frente ao Palácio Iguaçu, onde acontece a reunião entre representantes dos professores e do governo estadual. A Polícia Militar estima que 10 mil pessoas se reuniram em frente à sede do governo estadual. 

A reunião começou às 11h40 e ainda prossegue no Salão de Atos do Palácio Iguaçu. 

Segundo o presidente da APP, Hermes Silva Leão, o primeiro avanço foi anunciado ontem, quando o governo se comprometeu em pagar 1/3 de férias em uma parcela só. 

Independente do resultado da reunião, a greve não acaba hoje, pois a APP realizará encontros de avaliação nos núcleos regionais e, se for o caso, uma assembleia da categoria será agendada .

FILAS PARA GASOLINA EM ROLÂNDIA PREOCUPA



Rolândia, assim como diversas outras municipalidades, vem sofrendo arduamente com a escassez do combustível. O receio pela falta do minério e etanol, causado pela paralisação dos caminhoneiros (que bloquearam as estradas federais do Paraná), estão gerando tumulto e filas quilométricas nos principais postos da cidade. Diversos postos já amanheceram fechados, mas motorista continuam a enfrentar filas onde há combustível. No posto da Corol, por exemplo, há mais de 40 carros aguardando para abastecer. Alguns postos de cidades vizinhas de Rolândia estão comercializando o combustível a R$ 4,50 o litro. Esta situação calamitosa para nós consumidores é repulsiva, tanto é que até o diretor regional da Sindicombustíveis, Clâudio Mônaco, considerou o aumento praticado por alguns donos de postos como “repugnante”. Meu Deus, até que ponto chegamos? Para mim o motivo maior de tudo isso que está acontecendo é a falta de credibilidade de Dilma Roussef. A sua renuncia seria o começo da solução. José Carlos Farina.