quarta-feira, 4 de março de 2015

Professores e funcionários decidem pela continuidade da greve na rede estadual

Jornal de Londrina com Informações da Gazeta do Povo

Assembleia registrou poucas abstenções. Nenhum dos presentes votou pelo fim da greve, como já havia previsto a APP-Sindicato.




(Crédito: Gazeta do Povo)


A greve dos professores e funcionários da rede estadual de ensino está mantida. A decisão foi votada na manhã desta quarta-feira (4) em assembleia realizada no Estádio da Vila Capanema, em Curitiba. Com poucas abstenções e nenhum voto pelo encerramento da greve, a continuidade está oficialmente definida. A decisão já era dada como certa pela APP-Sindicato antes mesmo do início da votação.

O sindicato também colocou em votação a declaração de assembleia permanente, o que significa que uma nova reunião pode ser convocada a qualquer momento no prazo de 24 horas em decorrência do cenário de incertezas. A medida foi aprovada.

Outras pautas deverão ser votadas ainda na manhã desta quarta-feira, como o pedido à Justiça de uma audiência de conciliação entre governo e sindicato para debater impasses antes que o movimento seja declarado abusivo.

Professores lotaram estádio

Professores da rede estadual de ensino se reuniram na manhã desta quarta-feira (4), no Estádio da Vila Capanema, para votar o futuro da greve. Já são 24 dias do que é considerada a maior paralisação dos professores dos últimos 12 anos. De acordo com a expectativa da APP-Sindicato, 20 mil educadores participam da votação.

Em discurso realizado nesta manhã, o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão Silva, disse que é grande que a manutenção da greve seja aprovada por unanimidade, como já aconteceu na assembleia de 7 de fevereiro em Guarapuava. "Até o momento ninguém pediu a palavra para argumentar pelo fim da paralisação", disse. Ainda segundo Hermes, desde o dia 26 de fevereiro não há diálogo com o governo. "O governo optou pela Justiça. Agora pedimos que a Justiça medeie a conversa", disse.

Hermes Leão Silva citou a pesquisa encomendada pela Gazeta do Povo que mostra que a greve dos professores conta com o apoio de cerca de 80% da população. "Já o governador está com rejeição de quase 80%. Essa é a resposta da população diante dos ataques contra direitos do trabalhador e do comportamento autoritário do governador", disse.

Por volta das 11 horas, os educadores ainda a votação não havia,de fato, iniciado. Vários dirigentes ainda aguardam para discursar, mas problemas técnicos no som teriam atrasado o andamento da assembleia. Além disso, ainda havia grupos aguardando para entrar no estádio.

Após o fim da assembleia, a APP-Sindicato vai liderar uma marcha até o Centro Cívico. A ideia é acompanhar a votação na Alep do projeto que extingue a Comissão Geral. "Essa é uma conquista desse movimento, por isso vamos lá", justificou a APP-Sindicato. Para recordar: comissão geral é um mecanismo pelo qual um projeto de lei é votado em um único dia, sem passar pelas comissões da assembleia.

A greve

Professores iniciaram uma greve no último dia 9 de fevereiro, protestando contra cortes no número de funcionários e de professores nas escolas, além de salários atrasados e verbas rescisórias não pagas. Eles também se insurgiram contra um "pacotaço" mandado pelo governo do estado à Assembleia Legislativa, e que retirava direitos históricos da categoria.

Em uma série de manifestações, que incluiu uma ocupação da Assembleia e um dia histórico, professores pressionaram os deputados estaduais e conseguiram que o governo retirasse o "pacotaço" de tramitação.

Depois da retirada do "pacotaço", professores e governo se reuniram por três vezes para discutir as reivindicações da categoria. Confira as propostas feitas pela administração estadual no terceiro encontro. Elas serão analisadas na assembleia de hoje, na Vila Capanema.

Diante do San Lorenzo, Corinthians faz tira-teima histórico contra argentinos

Lucas Coelho, do ESPN.com.br


GETTY
Com 26 vitórias e 26 derrotas diante de argentinos, Corinthians tenta 'desempatar' contra San Lorenzo

O Corinthians chega a Buenos Aires com o desafio de confirmar seu favoritismo no grupo 2 da Libertadores, e não perder para o San Lorenzo pode garantir a esperada tranquilidade no resto da primeira fase. Mas, além da classificação, o alvinegro coloca em jogo o seu retrospecto diante dos argentinos.

O histórico corinthiano contra os ‘hermanos' data de 1929 - numa vitória sobre o Club Sportivo Barracas, no Parque São Jorge - e é extremamente equilibrado (contando amistoso): 26 vitórias alvinegras, 26 vitórias argentinas e 16 empates, com 104 gols marcados e 101 sofridos.

O primeiro encontro entre Corinthians e San Lorenzo em 2015 poderá desempatar não somente o embate dos paulistas contra os times do país vizinho, mas também o confronto direto. São três vitórias para cada lado e três empates. A derrota mais doída, porém, foi alvinegra: a eliminação da Copa Mercosul, em 1999.

Ao longo destes 86 anos, Boca Juniors e River Plate foram os rivais mais enfrentados, protagonistas de eliminações marcantes na Libertadores - em 1991 e 2013 para o primeiro, e 2003 e 2006 para o segundo -, e tanto o River quanto o Boca levam vantagem. Contra o time da Bombonera foram 15 jogos, quatro vitórias paulistas e cinco xeneizes. Já em 14 partidas diante da equipe do Monumental de Núñez, a diferença é maior, com 3 triunfos contra 8.

Se os portões fechados no estádio Pedro Bidegain podem significar uma vantagem para o Corinthians, o histórico jogando no país não é. Os brasileiros cruzaram a fronteira 19 vezes e voltaram derrotados em 13 ocasiões, tendo vencido em somente quatro. Mesmo assim, em casa o negócio muda de figura, e o alivinegro leva ampla vantagem, com 22 triunfos em 49 jogos.

Sem o seu ataque titular - com Sheik no estaleiro e Guerrero suspenso -, os comandados de Tite vão ter de enfrentar, além do atual campeão da Libertadores, também uma história de 86 anos que, segundo consta, pode pender para qualquer lado.