quarta-feira, 29 de abril de 2015

MUSEU E HISTÓRIA DE ROLÂNDIA DOCUMENTADA POR FARINA

ROLÂNDIA: JUIZ EXPEDIU INTIMAÇAO DE JOHNNY, DANILSON E ZÉ DE PAULA

O Dr. Alberto José Ludovico expediu agora a tarde um mandado de intimação para que Johnny Lehmann e José Danilson passem o cargo para o presidente da Câmara Zé de Paula. O chefe do Cartório Eleitoral esteve à procura de Johnny Lehmann na prefeitura mas não o encontrou. Espera-se que ele seja intimado nas próximas horas. Tão logo isso aconteça haverá a posse de Zé de Paula como prefeito interino. Tudo indica que dentro de 90 dias haja uma nova eleição. Agora é pra valer. Novo tempo... novo rumo para Rolândia. Pedimos ao novos governantes bastante seriedade, honestidade e competência no trato da coisa pública. TEXTO By JOSÉ CARLOS FARINA. FOTO ABAIXO DO BLOG TETO DE BARRO.

NOVOS COMBATES HOJE EM FRENTE O PALÁCIO DE BETO RICHA EM CURITIBA

DEPUTADO TIAGO AMARAL LEVA PUXÃO DE ORELHA

INFORME  FL - FOLHA DE LONDRINA

Figura decorativa

Já o também novato Tiago Amaral (PSB) parece gostar mais de figurar em fotos do que justificar seus posicionamentos políticos. Assim como no caso do "tratoraço" de fevereiro, o pessebista novamente se abstém de dizer por que é favorável às mudanças na ParanaPrevidência. Não atende às ligações da imprensa e, em seu perfil no site de relacionamentos Facebook, o assunto parece não existir. Conflitos entre policiais militares e manifestantes e galerias vazias na Assembleia Legislativa também não figuram na sua pauta positiva na internet.

DECLARAÇÕES DE COBRA REPORTER REPERCUTEM NA IMPRENSA

Fábio Calsavara"Oposição não tem direito a nada, nem a ir ao banheiro", justifica Cobra

Deputado, que disse que votaria contra o projeto da Paranaprevidência, mudou o voto e foi com o governo. Segundo ele, se ficar na oposição, não terá nada de Richa

  • Fábio Calsavara-JORNAL DE LONDRINA
Ao contrário do que havia informado ao JL do domingo (26), o deputado Devanil Reginaldo da Silva (PSC), conhecido como Cobra Repórter, mudou de postura e votou a favor do projeto que reforma a Paranaprevidência na segunda-feira (27). Procurado pelo JL nesta terça-feira (28), o parlamentar disse que estava em reunião e não podia atender a reportagem.  Em uma gravação divulgada nas redes sociais, no entanto, Cobra explicou que “o jogo é muito pesado” dentro da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). “Não queira ninguém de vocês estar na minha pele”, disse, numa referência à dificuldade nas negociações entre as bancadas de oposição e os governistas.
  • Cobra Repórter: disse que votaria contra, mas, mais uma vez, votou a favor da base do governador Beto Richa  (Crédito: Bruno Covello/Agência de Notícias Gazeta do Povo)
    Cobra Repórter: disse que votaria contra, mas, mais uma vez, votou a favor da base do governador Beto Richa (Crédito: Bruno Covello/Agência de Notícias Gazeta do Povo)

Para justificar a mudança de lado, Cobra disse que a “oposição não tem direito a nada, nem a ir ao banheiro”. Ele alegou ter sido o responsável, entre outros pontos, pela negociação que vai liberar quase R$ 1 milhão para a realização de cirurgias ortopédicas em Londrina. “Se eu me posicionar na oposição, esse cara [o governador Beto Richa] não me dá nada. Nem um papel de bala. E eu vou ser um deputado de quatro anos fazendo oba-oba, sem levar nada para a minha região”, relatou.
Tercílio Turini foi o único deputado da região de Londrina e votar contra o projeto. Já Tiago Amaral, assim como na véspera da votação, não foi encontrado pelo JL para comentar a votação.

CIDADÃO COBRA TRABALHO DOS VEREADORES DE ROLÂNDIA

Atenção , Câmara Rolândia , e nobres vereadores , João Ardigo , Alex Santana , Maico Dida , não vou marcar os demais pq vcs servem de espelho para os outros, e tenho certeza que esse comentário vai ser curtido e bem compartilhado pelo fato que esta nossa saúde uma vergonha.  Venho através desse fazer um desafio a todos vcs e os demais , estou aguardando uma cirurgia no Cismepar a um ano e as tantas já. Com todo respeito vcs gostam de ir pra mídia pra dizer que fez isso e aquilo , tbm gosto de ver vcs na mídia , isso é um ato muito legal pra nós todos munícipes, eu quero ver vcs ir pra mídia dizendo que minha situação foi resolvida . Não adianta vir dizer que não podem fazer nada , que vcs podem sim . Onde esta o meu direito cidadão ?  Onde está o SUS? Eles tem que me atender dentro de minhas necessidades , não quando eles querem , eu pago , vcs pagam , nos pagamos eles pra isso , nós não pagamos eles pra eu ficar afastado do meu trabalho a um ano e quatro meses em casa , recebendo essa mixaria que o governo paga de 874 reais , com dor e sedentarismo , e tudo mais Quero ver quem vai si manifestar pra dizer que fez e que resolveu meu questionamento , vamos ver...  seja um vereador de verdade agora . Esta ai meu ID - 1365917  . Com esse numero vcs consegue tomar o conhecimento de minha situação lá no cismepar . Meu nome é Eduardo Ramos .  Lá no sistema esta como Eduardo Romos , escreveram errado . Tai meu telefone tbm se precisarem 9985-2786  - Se não pode me chamar inbox. EDUARDO RAMOS

NOTA DE FALECIMENTO ROLÂNDIA 29/04/2015

FUNERÁRIA SANTA TEREZINHA INFORMA

O FALECIMENTO DE:

ANNA DE ALMEIDA CAMPOS, 94 ANOS ,

VELÓRIO:  CAPELA CENTRAL

 SEPULTAMENTO: 17:30 HORAS

NOSSOS SENTIMENTOS DE PESAR À FAMÍLIA

TERCÍLIO TURINI CRITICA COBRA REPÓRTER

FOLHA DE LONDRINA

Projeto polêmico 'racha' base de Beto na Assembleia

Pedro Oliveira/Alep Entre os dez partidos que têm mais de um representante na Casa, apenas em três todos os deputados foram favoráveis ao projeto que mexe na ParanaPrevidência

"Na política o que vale são as posições que a gente toma e não apenas levar uma ambulância para a cidade", argumenta Tercílio Turini (PPS)
"Se eu me posicionar na oposição, esse cara (governador) não me dá nada. Nem um papel de bala", afirma Cobra Repórter (PSC)
Sandro Nascimento/AlepA esvaziamento das galerias, segunda-feira, não impediu que a insatisfação dos servidores com o projeto de lei do governo do Paraná, que prevê mudanças na ParanaPrevidência, ecoasse no plenário da Assembleia Legislativa (AL). Embora tenha saído vitoriosa na primeira votação, a administração não garantiu consenso nem mesmo entre os partidos da base aliada. Entre as dez legendas que têm mais de um deputado estadual, apenas três (DEM, PP e PSDB) tiveram votação uniforme e favorável ao projeto, enquanto que nos demais as posições foram divergentes.

O maior exemplo é o PSC, do deputado licenciado e secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Junior, tradicional aliado do governador Beto Richa (PSDB) e virtual candidato ao governo estadual em 2018. Com 12 parlamentares, a maior representação na Casa, a sigla tem lastro suficiente para decidir votações importantes, tanto que na véspera, Beto chamou o grupo para pedir apoio. Como comparação, a diferença na aprovação de anteontem foi de 10 votos. Evandro Araújo (suplente de Ratinho), Claudio Palozi, Leonaldo Paranhos e Gilson de Souza votaram contra a proposta do Executivo.

Segundo o líder do partido na AL, Hussein Bakri (PSC), não foi emitida nenhuma recomendação e os deputados tiveram liberdade para votar. "Não existe consenso e estes deputados entendem que o projeto precisa de melhorias." Porém, o receio de perder o capital político em ano pré-eleitoral pode ter feito a diferença em muitas avaliações individuais, conforme sinalizou o deputado Cobra Repórter (PSC). "Tem parlamentar que pretende disputar como prefeito e não quis se arriscar."

ACONCHEGO DA BASE

Apesar da análise sobre os colegas, Cobra arriscou e votou com o governo para manter o aconchego da base governista, que traz vantagens para o parlamentar. Em conversa reservada com correligionários após a sessão de segunda-feira, e que acabou vazando para a imprensa ontem, o deputado de Rolândia disse que "o governo só dá coisas para quem está na base". "Se eu me posicionar na oposição, esse cara (o governador) não me dá nada. Nem um papel de bala. E eu vou ser um deputado de quatro anos fazendo oba-oba, sem levar nada para a minha região."

Procurado pela FOLHA, Cobra reconheceu que fez as declarações. "Foram palavras num grupo fechado nas redes sociais e invadiram a nossa privacidade ali, mas é assim mesmo", lamentou.

Segundo ele, a dependência do dinheiro do Executivo acaba interferindo na atuação do parlamento. "Não adianta tapar o sol com a peneira. É assim que funciona. Mas eu não estou pensando em mim, estou pensando na população para onde eu preciso levar os recursos, os investimentos. Quem está na oposição vai ter dificuldades para conseguir."

Contudo, o parlamentar negou que estará sempre votando com o governo. "Se algo não for bom, for contra os meus princípios, vou deixar claro que não voto." Cobra, que assinou documento para garantir a sua atuação na AL, disse que manteve o compromisso com os eleitores, "pois assinei que não votaria contra a população e entendo que o projeto é bom, não retira direitos".

O deputado Tercílio Turini (PPS), que é de Londrina, não poupou críticas ao colega da região. "Se ele (Cobra) falou isso, discordo veementemente. É um equívoco, porque fazer obras no interior é uma obrigação do governador. Apenas para lembrar, Beto teve quase 80% dos votos de Londrina." De acordo com Turini, "na política o que vale são as posições que a gente toma e não apenas levar uma ambulância para a cidade". Tiago Amaral (PSB), também da região, foi procurado mas atendeu o celular.

O líder do PSC, deputado Hussein Bakri não negou o desconforto com a situação, mas mantém o apoio ao projeto da ParanaPrevidência. "Claro que sempre há um prejuízo político, mas com as mudanças, o projeto ficou bom." Segundo ele, em razão das dificuldades financeiras do governo, "nesse momento não há outra solução que não seja a aprovação." Vale lembrar que, na primeira discussão na segunda-feira, o projeto do Executivo foi aprovado por 31 votos favoráveis contra 21 contrários. Edson Ferreira -  Reportagem Local

DEPUTADO COBRA REPÓRTER CRITICADO PELA FOLHA DE LONDRINA

INFORME FOLHA DE LONDRINA ( 29/04/2015)


Novo deputado, velha política

A justificativa do deputado estadual Cobra Repórter (PSC) para votar favorável ao projeto de lei que altera a ParanaPrevidência, a contragosto dos servidores estaduais – e ao qual havia se comprometido votar contrariamente com suas bases eleitorais – demonstra despreparo para o cargo. O direcionamento de obras ou recursos para qualquer região não é ato de benevolência, mas obrigação de qualquer administrador eleito pelo voto. A função de um deputado é representar seus eleitores e votar de acordo com o que eles pedem e não com base em barganhas políticas, uma das práticas mais arcaicas e tacanhas da política brasileira.