sexta-feira, 15 de maio de 2015

ROLÂNDIA: CENTRO SEM ÁGUA NO DOMINGO DAS 7 AS 13 HORAS

Serviços na rede vai interromper abastecimento água em Rolândia

A Sanepar comunica os seus clientes que, neste domingo (dia 17), será  interrompido o fornecimento de água nos bairros da Região Central da cidade, para que seja executado serviços de melhorias na rede (esquina das avenidas Castro Alves e Presidente Bernardes). Os serviços serão feitos das 7h às 13h. A previsão de retorno do abastecimento ocorrerá de forma gradativa no período da tarde, sendo completamente normalizado à noite. A Sanepar pede a colaboração de todos e orienta para que a população racione   a água, evitando desperdícios.  Clientes que não possuem caixa-d'água  podem ficar desabastecidos temporariamente. O Serviço de Atendimento ao Cliente Sanepar é feito pelo telefone 0800-200-0115. Ao ligar, tenha em mãos a conta de água ou o número de sua matrícula. Acompanhe mais informações pelo site www.sanepar.com.br.  Sanepar, 15 de maio de 2015.

ELEIÇÃO NOVO DIRETÓRIO MUNICIPAL PSDB, 14/05

Executiva PSDB Rolândia :

Presidente : Luiz Francisconi Neto


Vice Presidente : Jorge Carlos Lehmann


Foto de Luiz Francisconi. 


VÍDEO CONSERTADO O VAZAMENTO DE ÁGUA NA AV. CASTRO ALVES - By FARINA


ROLÂNDIA: NOVAS AUTUAÇÕES CONTRA O BIG FRANGO

Big Frango não cumpria jornada de trabalho prevista em lei

Redação Bonde - 15/05/2015

A força-tarefa "Grande Escolha", que investiga más condições de trabalho no frigorífico Big Frango, unidade da JBS em Rolândia, teve a primeira fase encerrada nesta sexta-feira (15). As fases seguintes preveem, além de Termos de Ajustamento de Conduta (TAC), ações visando indenizações pelas irregularidades encontradas.

O transporte dos trabalhadores, fornecido pela empresa pela distância da fábrica em relação às residências, também não era computado na jornada, o que é irregular. A JBS também desrespeitava o descanso inter jornada de 11 horas consecutivas, o descanso semanal remunerado de 24h e o repouso para descanso de trabalhadores que operam em ambientes artificialmente frios.

MPT/Divulgação
MPT/Divulgação


Normas de saúde e segurança do trabalho também não eram observadas. Havia risco de queda de altura e a empresa não disponibilizava todos os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) necessários. Não havia dispositivos de emergência para a interrupção de movimentos perigosos em todas as máquinas e nem alarme para casos de vazamento de amônia dentro da unidade produtiva. O Ministério do Trabalho também solicitou esforços para a redução de ruído.

MPT/Divulgação
MPT/Divulgação


Interdição:

Até o final da manhã desta sexta, três setores estavam interditados quase na totalidade: congelamento, mercado interno e setor de temperados. O abate estava funcionando com metade da capacidade.

Na quarta-feira (13), 51 máquinas foram interditadas, causando queda de 43% na produção do frigorífico. O Ministério Público do Trabalho entregou à empresa 75 autos de infração, com a promessa de que as irregularidades sejam solucionadas.

ROLÂNDIA: VAZAMENTO CONTIDO NA AV. CASTRO ALVES

15/05/15 - POR VOLTA DAS 16:30 HORAS FOI RESTAURADO E CONSERTADO O VAZAMENTO DE UMA DAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA TRATADA DA SANEPAR NA AV.CASTRO ALVES. AGORA POUCO ( 19:30 HORAS) AINDA HAVIA GENTE NO LOCAL TAMPANDO O BURACO QUE FOI ABERTO E LAVANDO A RUA. FOTOS By JOSÉ CARLOS FARINA


































































ROLÂNDIA: IGREJA CRISTIANISMO DECIDIDO COMEMORA 80 ANOS

ESTA DENOMINAÇÃO ( PRIMEIRAMENTE COM O NOME DE IGREJA METODISTA) FOI A PRIMEIRA IGREJA EVANGÉLICA DA CIDADE. NA ÉPOCA A MAIORIA DOS  MEMBROS ERAM ALEMÃES. DIA 31 DE MAIO A IGREJA COMEMORA 80 ANOS DE FUNDAÇÃO, COM  AMPLA PROGRAMAÇÃO DE FESTA, BRINCADEIRAS, CAMPEONATO DE PIPAS, ALIMENTAÇÃO, TEATRO,  E LOUVOR NA PRAÇA CASTELO BRANCO, DAS 10 AS 16 HORAS.












FOTO HISTÓRIA DO ACERVO DO BLOG "HISTÓRIA DE ROLÂNDIA"













IGREJA RECONSTRUIDA NA CHÁCARA DA DENOMINAÇÃO AQUI EM ROLÂNDIA
( FOTO By JOSÉ CARLOS FARINA )













IGREJA ATUAL ( FOTO By JOSÉ CARLOS FARINA )

Funcionários do BIG FRANGO ( JBS ) relatam abusos

Gina MardonesFOLHA DE LONDRINA

Frigorífico de Rolândia está parcialmente interditado por força-tarefa formada por MPT, MTE e outros órgãos

Ontem, 10 máquinas foram liberadas pela força-tarefa, depois de soluções apresentadas pela empresa
Tendinite, bursite, dores nas costas, cortes e até perda de dedos. Esses são alguns dos problemas relatados por trabalhadores da Big Frango, unidade de abate de frangos da JBS em Rolândia. Por causa disso, uma força-tarefa composta por integrantes do Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), INSS, Receita Federal e Advocacia Geral da União (AGU) decidiu interditar 51 máquinas da indústria na tarde da última terça-feira. Ontem, 10 delas foram liberadas, depois de soluções apresentadas pela JBS (Friboi). Por causa das interdições, alguns setores da empresa ainda estão com suas atividades interrompidas. (PARCIAL)

"É muita correria. O encarregado fica pressionando para a gente trabalhar mais rápido. Sob pressão, os acidentes acontecem", afirmou ontem à reportagem um funcionário da Big Frango. Trabalhando de pé, por muitas horas seguidas, e carregando muito peso, ele conta que é muito comum as pessoas adoecerem. "É um trabalho muito repetitivo e difícil. Além dos problemas nas costas, nas mãos, muita gente compromete os joelhos", declara.

Outro trabalhador diz que é difícil acompanhar o ritmo das máquinas. "Tudo é muito rápido e a gente tem de ficar atento. Quando sente dor, a gente vai no médico e ele dá um analgésico", afirma. De acordo com o funcionário, é comum acidentes ocorrerem quando os trabalhadores são trocados de função. "Às vezes falta alguém, a gente tem de substituir, não conhece a máquina e se machuca", relata, afirmando ter colegas que perderam dedos durante o trabalho.

O auditor do MTE, Diego Alfaro, confirmou as ocorrência. A força-tarefa examinou as comunicações de acidente do trabalho (CATs) dos últimos dois anos. "Não tenho os números em mãos, mas são vários os acidentes, inclusive casos de amputações", ressalta. Uma pesquisa realizada com 400 funcionários mostrou que 52,9% deles tiveram de recorrer a remédios, emplastos ou compressas para aliviar as dores. Somente 15,6% disseram não sentir qualquer desconforto no trabalho. E 75,4% afirmaram ficar cansados ou exaustos ao final da jornada diária.

Desinterdição

Ontem à tarde, representantes da força-tarefa desinterditou 10 máquinas para as quais a empresa havia apresentado soluções. "Providenciaram proteções em algumas máquinas que não tinham ou melhoraram aquelas proteções que eram ineficazes. Em outra situações, instalaram sensores onde não havia", conta o auditor. Alfaro acredita que todas as máquinas só estarão liberadas na semana que vem. "A empresa está dando prioridade para os gargalos. Há máquinas que não têm solução e a empresa vai substituir por outras novas", declara.

A empresa enviou nota à reportagem alegando que, desde que assumiu o frigorífico, no início deste ano, fez uma série de melhorias no local. "A JBS esclarece que já solucionou a maior parte dos itens apontados pelo Ministério Público e ressalta que a interdição parcial não prejudicou a capacidade produtiva da unidade, que segue operando normalmente, sem prejuízo à companhia." A companhia diz também que monitora "permanentemente pontos de risco identificados no processo produtivo, procedendo as adequações necessárias de forma espontânea ou quando apontadas pelos órgãos de fiscalização".
Nelson Bortolin- Reportagem Local

Empresa é alvo de ações em todo o País

Não é apenas a unidade de Rolândia da JBS que enfrenta problema de desrespeito aos direitos trabalhistas. São várias as ações do Ministério Público do Trabalho (MPT) e Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) contra o grupo no País. Uma das mais emblemáticas é a condenação sofrida em Mato Grosso, em 2014, pelo fato de a empresa ter servido a seus funcionários alimentos contaminados, incluindo carne com larvas de moscas varejeiras.

No início deste ano, o MPT e a JBS firmaram acordo para indenização por danos morais aos funcionários de uma unidade em Barretos. Em ação civil, o ministério público acusava o frigorífico de não conceder intervalos para recuperação térmica dos trabalhadores que atuam em ambientes refrigerados artificialmente.

Em janeiro do ano passado, uma força-tarefa interditou máquinas na unidade da JBS Aves, localizada em Montenegro (RS) por razões parecidas com as do frigorífico de Rolândia. O mesmo aconteceu em dezembro, na JBS de Passo Fundo (RS).

Segundo o auditor do MTE, Diego Alfaro, a empresa vem comprando vários frigoríficos, que já apresentavam problemas em relação aos direitos dos trabalhadores. A JSB, de acordo com ele, demonstra boa vontade em apresentar soluções conforme acionada. "Melhor seria se fizessem adequações antes de chegarmos até eles", ressalva. (N.B.)