segunda-feira, 7 de novembro de 2016

PREOCUPAÇÃO COM LOTEAMENTOS EM ROLÂNDIA ( MEIO AMBIENTE )

DANIEL STEIDLE ESCREVEU:
COMO ISSO FOI ACONTECER, SEM PASSAR PELO COMDEMA (Conselho de Defesa do Meio Ambiente de Rolândia)? Circula pela cidade um panfleto de um novo loteamento. A imagem mostra um espigão (divisor de água), com declividade acentuada (veja pelas curvas de nível) e remanescentes florestais logo abaixo, ricos em minas d’água. 50% de Rolândia não têm tratamento de esgoto. A água é um recurso cada vez mais escasso. Será que a loteadora fará medidas ambientais compensadoras pela impermeabilização? A faixa de recuo (entre a rodovia e o loteamento) se ofereceria como corredor verde que poderia mitigar os graves impactos ambientais que forçosamente serão criados. Ou na pressa de “crescimento a todo custo” o recuo será ocupado por indústrias? O povo sonhando em ter moradia, numa cidade com grande estoque de áreas ociosas (aluga-se, vende-se e terrenos baldios), invade com este projeto uma histórica zona rural. Será que as contas vão fechar?
COMENTÁRIO: Este loteamento fica na saída para São Martinho, próximo da Fazenda Bimini, dos Steidles.