quinta-feira, 16 de março de 2017

BETO RICHA VAI SER INVESTIGADO TAMBÉM NA LAVA-JATO

Saiu agora a meia noite no Jornal de Noite da Globo. Ele, Marta Suplicy, Pezão, Pimentel e muitos outros, serão investigados em inquéritos para apurar crimes, em desdobramentos da operação Lava-jato, e tendo por base a relação dos diretores da Odebrecht. Ouvido pela Globo Richa disse que não conhece ainda o teor do processo, mas que  a sua campanha eleitoral foi feita com atendimento a todas as normas legais, obtendo a aprovação de sua prestação de contas.

LEIA MAIS:

MSN.COM

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) 83 pedidos de abertura de inquérito contra políticos citados nas delações de ex-executivos da empreiteira Odebrecht na última terça-feira (14).

Embora os nomes estejam sob sigilo, pelo menos 5 ministros, 6 senadores, um deputado, dois ex-ministros e dos ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff foram confirmados na relação da PGR, de acordo com informações do G1 e do Estadão. 

Janot pediu, ainda, que o sigilo de todo o material seja retirado. A decisão fica por conta do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo.

Leia abaixo as declarações feitas pelos políticos após a repercussão, e veja na galeria acima a lista extraoficial de suspeitos.

Ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-geral da Presidência)

Informaram que não vão se pronunciar sobre o caso.

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia

Não quis comentar o assunto.

Senador Renan Calheiros (PMDB)

Não quis se manifestar.

Ministro Aloysio Nunes (Relações Exteriores)

Advogado do chanceler requereu, ainda na segunda-feira (13), cesso ao conteúdo da delação da Odebrecht naquilo que poderia dizer lhe respeito. Informou por meio de assessoria que não vai comentar suposta menção até conhecer o teor do documento.

Ministro Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia)

"Defendo as investigações, mas devemos aguardar informações oficiais e ser cautelosos com afirmações de colaboradores, que não são provas. Os atos praticados em campanha foram realizados conforme a legislação."

Ministro Bruno Araújo (Cidades)

"O sistema democrático vigente estabelecia a participação de instituições privadas por meio de doações. Mantive uma relação institucional com todas essas empresas", afirmou, fazendo referência a doações de outras companhias.

Presidente do Senado, Eunício Oliveira

"O Senado Federal recebe com absoluta serenidade e confiança na Justiça o envio ao Supremo Tribunal Federal dos pedidos de investigação relacionados a alguns de seus integrantes. Pedidos de investigação não convertem investigados em réus e nem são sentenças proferidas. Há que se obedecer e respeitar o amplo direito de defesa, uma das mais sólidas pedras basilares do Estado Democrático. O Judiciário terá instrumentos de apuração, maturidade e firmeza para distinguir mentiras ou versões alternativas e a verdade dos fatos. Assessoria de Imprensa. Presidência do Senado Federal."

Senador Edison Lobão (PSDB)

Por telefone, o advogado do parlamentar, Antônio Carlos de Almeida Castro, disse: “Como não sei do que se trata, estão soltando os nomes, mas sem dizer o contexto, até que a gente tenha acesso para saber em que contexto houve a citação ao nome do senador, a defesa não tem como se manifestar”.

Senador José Serra (PSDB)

Assessoria informou que ele se pronunciará quando os nomes forem confirmados pelo STF.

Presidente do PSDB e senador, Aécio Neves

A assessoria do parlamentar afirmou que ele "buscou apoio para diversos candidatos, sempre dentro do que determina a legislação, o que ficará provado ao fim das investigações, que ele considera absolutamente salutares."

Senador Romero Jucá

Disse apoiar a Operação Lava Jato e se colocou "à disposição" para prestar esclarecimentos à Justiça.

Ex-presidente Lula

´"O ex-presidente não vai comentar supostas delações que estão sob sigilo de justiça. Lula tem se defendido na justiça de todas as falsas acusações feitas contra ele", informou assessoria.

Ex-ministro Antonio Palocci

Advogado do ex-ministro, José Roberto Batochio afirmou que "sm a ciência dos motivos que fundamentam o pedido, estaríamos a nos pronunciar sobre o desconhecido. Seria mera reprise que já é objeto de apuração? Seriam fatos novos? Ignora-se. Logo, impossível valorar uma abstração".

Ex-presidente Dilma Rousseff e ex-ministro Guido Mantega

Não foram localizados para entrevista até o fechamento da reportagem.