terça-feira, 25 de abril de 2017

ROUBARAM O POVO DE LONDRINA

BONDE

NÃO PERDOAM NEM OS POSTOS DE SAÚDE

Ladrões levam computadores, tevê e até fios elétricos de unidade de saúde de Londrina

Ladrões furtaram computadores, televisor e até fiação elétrica do Centro Social Urbano (CSU) da Vila Portuguesa, em Londrina, durante o feriado prolongado de Tiradentes. O prejuízo estimado pelo secretário da Saúde, Felippe Machado, é de pelo menos R$ 20 mil, entre reparos e reposições de equipamentos. 

Aparentemente, a invasão ocorreu pelo teto da recepção central, que teve o gesso danificado. Os ladrões levaram, além dos computadores e da tevê adquirida recentemente para entreter pacientes durante a espera, equipamentos dos agentes comunitários de saúde e até a fiação e disjuntores do prédio. Isso deixou parte da unidade sem energia elétrica, o que prejudicou o atendimento de pacientes na manha desta segunda-feira (24), quando o furto foi notado. 

O secretário acredita que a invasão tenha ocorrido no último domingo (23), uma vez que as geladeiras das vacinas ainda estavam funcionando nesta manhã – as baterias têm autonomia de 24 horas. Os medicamentos foram transferidos para outras unidades de saúde para que não se deteriorem, mas até mesmo a campanha de vacinação foi prejudicada.

Machado afirma que, como não há materiais para reparo imediato, um contrato emergencial da prefeitura será acionado para os consertos necessários. "Vamos passar a fiação para normalizar o atendimento. A esta altura, consideramos que o teto de gesso é perfumaria", diz. Uma equipe especializada vai verificar os estragos na tarde desta segunda para estimar o tempo de conserto. 

O secretário disse ainda que a empresa de monitoramento responsável pelo sistema de alarme será acionada para esclarecer por que não houve verificação da queda do fornecimento de energia elétrica na unidade. O contrato determina que, quando não há retorno em 15 minutos, os danos devem ser ressarcidos pela empresa responsável. 

Ele também lamentou os assaltos a unidades de saúde, que vitimam, de forma indireta, a população. "Este ano foram cinco [unidades] roubadas. Quem está sendo roubado não é o prefeito ou o secretário, mas a própria população, que tem o atendimento prejudicado", desabafa.

Luís Fernando Wiltemburg - Redação Bonde