sábado, 3 de junho de 2017

EQUIPE DO ROLÂNDIA TOTAL WEB VAI FILMAR CASA ABANDONADA JUNTO COM O FARINA

Fiz o convite na minha página do Fecebook e eles aceitaram o desafio. A Rosalva Igarashi tbm quer ir. Falta agora a resposta do Renato Garcia. 

Leiam o comentário:

Tyago Nascimento Ooo farina vamos juntos se possível. eu e o Everton Assis fazer uma super matéria. 

RESPOSTA:

Tudo bem. Para mim é uma honra. Vamos nos divertir muito. Quem sabe vocês não filmam uma assombração.... FARINA

NOTAS DE FALECIMENTOS DA SEMANA EM ROLÂNDIA - PR.

FONTE JORNAL MANCHETE DO POVO





MUSEU DO CAFÉ DE ROLÂNDIA FOI INAUGURADO NESTE SÁBADO

DAQUI A POUCO O 1º VÍDEO.

FOTOS By JOSÉ CARLOS FARINA


































































Moradores de Boa Esperança Paraná dividem R$ 20,9 milhões da Mega-Sena

G1 GLOBO PR

Aposta foi dividida em 140 cotas e cada ganhador deve receber quase R$ 150 mil.


Por RPC Noroeste



Mega-sena (Foto: Heloise Hamada/G1)

Um bolão entre amigos feito na única lotérica de Boa Esperança, no noroeste do Paraná, ganhou mais de R$ 20,9 milhões no concurso 1.935 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado em Paraíba do Sul (RJ), na noite de quarta-feira (31).

O bolão dividido em 140 cotas foi feito por volta das 16h de quarta-feira. Cada integrante do grupo pagou R$ 7 pela aposta.

Cada ganhador vai receber R$ 149.488,19 pela cota. A dona da casa lotérica informou que alguns apostadores compraram mais de uma cota.

Outras duas apostas de Contagem (MG) e do Rio de Janeiro (RJ) também acertaram a seis dezenas sorteadas: 01 - 03 - 10 - 17 - 23 – 24.

Probabilidades

A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.

Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.

VÍDEO CANAL DO FELIPE CASTANHARI NO CALDEIRÃO DO LUCIANO HULK

CLIQUE.

ÁLVARO DIAS DÁ EXEMPLO NO PARANÁ PARA O BRASIL

O senador Alvaro Dias recusou a polpuda aposentadoria dada aos ex-governadores, por considerá-la imoral, mesmo que seja legal. É o único ex…
FABIOCAMPANA.COM.BR

CARTAZES, SHOWS e EVENTOS EM ROLÂNDIA NORTE DO PARANÁ


HAY MUITOS MISTÉRIOS NESTE MUNDO

VÍDEO.
CLIQUE.

LANCHE ESPECIAL

BONDE

Saiba como fazer hambúrguer de pinhão e surpreenda seu paladar



Preparo elaborado

Ingredientes
3 xícaras (420 g) de pinhão cozido e sem casca; 
1/3 xícara (60 g) de farinha de rosca; 
1/3 xícara (60 g) de pimentão vermelho cortado em cubinhos; 
1/4 xícara de salsinha fresca picada grosseiramente; 
2 colheres de sopa (30 ml) de azeite de oliva; 
3 colheres de sopa (45 ml) de água; 
1 colher de chá (5 g) de paprica defumada; 
1 colher de chá (5 g) de sal; 
Pimenta do reino moída a gosto (opcional).

Modo de preparo
1) Coloque todos os ingredientes no processador, com exceção da farinha de rosca, e bata bem até obter uma mistura homogênea; 
2) Adicione a farinha de rosca e bata novamente até a massa começar a dar liga. Se necessário adicione mais um pouco de água; 
3) Divida em 4 porções iguais e modele em formato de hambúrguer; 
4) Aqueça um fio de óleo em uma frigideira antiaderente. Frite os dois lados do hambúrguer até dourar. Se não for consumir logo, congele os hambúrgueres crus separados por um filme de PVC ou papel manteiga. Congelados duram cerca de 2 meses; 
5) Monte o lanche do jeito que preferir. Sirva ainda quente. 

Reprodução/Tempero Alternativo

Fonte da receita: Tempero Alternativo

PIZZAS ESPECIAIS

Essa é a Avalanche!!!!

Mas ATENÇÃO

Av. Jorge Casoni,1158 - LONDRINA

Estacionamento próprio com segurança

Espaço Kids com Monitora

Telão Gigante

Delivery 3325 8404,

Delivery WhatsApp 99997 8404 (não aceitamos pedido pelo Facebook)

Reservas 98475 9874





ARBORIZAÇÃO PÚBLICA EM LONDRINA - NORTE DO PARANÁ

Londrina: a cidade que plantamos
Um resumo histórico da arborização municipal, que há menos de 100 anos era sinônimo de Mata Atlântica

Marcos Zanutto
Sibipirunas da alameda Miguel Blasi: grandiosidade que resiste ao tempo

Quem passa pelas grandes sibipirunas da alameda Miguel Blasi, pelos oitis da avenida Rio de Janeiro, ao lado da Caixa Econômica Federal, e até pelas quaresmeiras da avenida Higienópolis não imagina que essas árvores antigas chegaram até ali por mãos humanas. Entre o início da colonização, nos anos de 1930, até a década de 1950, a pequena área urbana de Londrina cresceu descoberta de vegetação arbórea. A mata original tinha sido desmatada pelos machadeiros e as poucas sombras provinham de árvores plantadas pelos próprios loteadores. 

Neste processo, grande parte das figueiras-brancas, pinheiros, perobas-rosas, paus-d´alho e outras espécies nativas da região deram lugar às casas e plantações. "Esse era um costume da nossa civilização, chegar e arrancar tudo. Mesmo os fundos de vale que temos hoje foram completamente destruídos e depois replantados", afirma Eduardo Panachão, biólogo da ONG Meio Ambiente Equilibrado (MAE). 

De acordo com relatos de Luiz Juliani, autor do livro Memórias de Caçador, a primeira área de mata devastada pela Companhia de Terras do Norte do Paraná (CTNP) no início do loteamento de Londrina foi o quadrilátero central: das atuais ruas Brasil à Professor João Cândido; e da Espírito Santo à Benjamin Constant. 

Anos depois, a necessidade de sombras, frescor e embelezamento levou os administradores da cidade a se preocuparem com a arborização urbana. "No primeiro momento, as pessoas queriam tirar a floresta para ocupar o terreno, muito depois elas vão sentir falta do serviço público prestado pelas árvores. E a cidade, se organizando como prefeitura, começa a plantar árvores e regular o plantio", explica o professor do Laboratório de Biodiversidade e Restauração de Ecossistemas (Labre) da Universidade Estadual de Londrina (UEL), José Marcelo Torezan. 


Clique para ampliar

Primeiro investimento 
Diante da nudez arbórea da cidade, em 1953 o então prefeito Milton Menezes mandou trazer da Floricultura Centenário, de São Paulo, 400 mudas de árvores. O jovem paisagista alemão recém-chegado ao Brasil, Erich Franz Kühnlei, foi enviado pela floricultura ao município para acompanhar o plantio. Ipês, tipuanas, sibipirunas e quaresmeiras estavam entre as espécies alocadas num trem em direção a Londrina. 

Mas a viagem demorou mais do que o esperado e as mudas secaram. A solução foi podar a parte seca e enterrar o restante das árvores numa área preparada para recuperá-las. Dois anos depois, as mudas estavam prontas para serem plantadas nas ruas. Foi assim que nasceu o primeiro Horto Municipal de Londrina. 

Enquanto isso, outros lotes de mudas foram comprados em São Paulo, mas trazidos de caminhão para preservar as árvores. As mudas que chegaram saudáveis foram aos poucos preenchendo a cidade. 

"Aquele centro ali, foi todo ele [Erich Kühnlei] quem plantou. Começou ali e foi descendo as outras ruas", conta Lindinalva Cavalcanti Kühnlei, esposa de Erich Kühnlei, que hoje está com 88 anos e por motivo de saúde não pôde dar entrevista. Com a ajuda da filha Rosana Cavalcanti Kühnlei, ela cita as árvores no entorno da Catedral, Praça 7 de Setembro, avenida Paraná, rua Goiás e avenida Higienópolis como obras de Kühnlei e sua equipe. 

'Tivemos uma produção espetacular' 


"Curitiba era uma cidade muito arborizada, mas perdia para Londrina e Maringá", relembra Noé da Silva, que chefiou a Divisão de Parques e Jardins, entre 1969 e 1985. Veja vídeo utilizando a tecnologia

Com o crescimento acelerado da cidade, o prefeito Dalton Paranaguá criou, em 1969, a Divisão de Parques e Jardins, subordinada à então Secretaria de Urbanismo, Obras e Viação. Um grupo de 70 homens, chefiado por Noé da Silva, foi remanejado da Divisão de Patrimônio só para cuidar das áreas verdes londrinenses.

"Tivemos uma produção espetacular nessa época. Curitiba era uma cidade muito arborizada, mas perdia para Londrina e Maringá", relembra Noé. Segundo ele, aproveitando a produção do horto, 800 mil mudas foram plantadas e outras 400 mil foram distribuídas para a população do município até o fim da sua chefia, em 1985. Silva recorda também que a única época em que precisou comprar mudas foi durante o loteamento dos Cinco Conjuntos, pois a demanda era grande e o terreno do primeiro horto tinha sido vendido. 

Como nem tudo são flores, a falta de conhecimento de algumas espécies e do solo trouxe surpresas que só apareceram anos depois. Muitas árvores cresceram bem mais do que o esperado. "Meu marido [Erich Franz Kühnlei] era novo aqui no Brasil, ele não sabia que a sibipiruna, a grevílea, o jacarandá, o flamboyant... iam ficar deste tamanho. No estado de São Paulo elas crescem menos; aqui, como a terra é muito boa, elas cresceram em dobro", relembra a esposa de Kühnlei, paisagista alemão que chegou em Londrina na década de 1950 para acompanhar o processo de arborização. 



Fim da Divisão 
A Divisão de Parques e Jardins acabou por volta de 1989. Logo, os cuidados com a arborização passaram para a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente (SMAA), depois para a Autarquia Municipal do Ambiente (AMA), até chegarem à atual Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema). 

De lá para cá, a grande mudança na análise do biólogo da Diretoria Técnica da Sema, Paulo Dolibaina, foi o volume da arborização urbana. "Até 1999, a Sbau [Sociedade Brasileira de Arborização Urbana] preconizava que plantio do lado da fiação tinha que ser de pequeno porte; e onde não tinha rede elétrica, de médio porte. Plantaram na cidade a falsa-murta, a aroeira-salsa. O nosso atual Plano Diretor veio modificar um pouco isso, a própria Sbau já mudou de posicionamento e agora defende o plantio de médio e grande porte", explica Dolibaina. 

Além disso, muitas árvores frondosas vêm sendo substituídas por causa da velhice e as novas mudas crescem mais lentamente, segundo o biólogo. "Nós tínhamos uma arborização mais pujante, mas essas árvores foram sendo substituídas e a substituição nunca acompanha o crescimento primário. Então tivemos uma redução de volume, mas aumento de planejamento", avalia.

Gabriela Nogueira
Especial para a FOLHA

ESFIRRA E QUIBE ( COMIDA ÁRABE ) EM ROLÂNDIA - PR.

Cardápio variado com delícias árabes, chopp, cervejas, caipirinhas, vinho quente, bebidas exclusivas MADY, área infantil....td isso num ambiente aconchegante!

VÍDEO ALEX CONSTRÓI ARMADURA DO HOMEM DE FERRO E FAZ SUCESSO

CLIQUE

BOMBA!.. DEPUTADO ROCHA LOURES DO PR. FOI PRESO NESTE SÁBADO

O GLOBO

Ex-deputado Rocha Loures é preso em Brasília
No pedido de prisão, Janot diz que ex-parlamentar é o executor das ordens de Temer


POR JAILTON DE CARVALHO

03/06/2017
O ex-deputado Rodrigo Rocha Loures - Ricardo Weg/Presidência da República/Divulgação
 
BRASÍLIA - O ex-deputado e ex-assessor especial do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, foi preso na manhã deste sábado, segundo informou a Polícia Federal. Ele foi preso em casa em Brasília, onde deve permanecer até o fim das investigações, e levado para a Superintendência Regional da PF na capital. A prisão de Loures complica ainda mais a situação de Temer, investigado no mesmo inquérito do ex-parlamentar, cuja defesa já sondou investigadores da Lava-Jato sobre chande de fazer delação premiada.
A ordem de prisão foi expedida pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal a pedido do procurador-geral Rodrigo Janot. Loures é acusado de receber propina da JBS em nome de Temer. Ambos respondema inquérito por corrupção no STF.