quarta-feira, 21 de junho de 2017

MARIALVA - PR. TAMBÉM QUER ISENÇÃO DE PEDÁGIO

fonte: portalglup


Após Mandaguari, movimento contra o pedágio se alastra no interior




*Redação
(Colaborou Marcela Langoni, de Londrina) 

A audiência pública realizada em abril entre a Concessionária Viapar, culminando com a proposta da empresa que administra o pedágio reduzir 75% do valor da tarifa para os veículos leves e caminhões de até três eixos emplacados em Mandaguari ou 80% para carros e motos, motivaram ações idênticas da população de outras cidades onde estão instaladas praças de pedágio, como em Arapongas e Marialva.

A primeira manifestação do movimento batizado como "Tarifa Zero", pedindo a isenção na tarifa do pedágio localizado na BR-369, entre Rolândia e Arapongas, foi marcada pela construção de um acesso que liga a Estrada do Ceboleiro até a rua Rabilonga Vermelha.

O ato ocorreu no último dia 27 de maio como alternativa para escapar da cobrança considerada como abusiva pelos integrantes do grupo, que é formado por empresários, moradores, vereadores e profissionais liberais dos dois municípios.

Surgiu também o movimento “Marialva sem Pedágio, que no início desta semana (dia 29 de maio) iniciou o cadastramento dos moradores da cidade que trabalham ou estudam em Mandaguari, cidade vizinha. O levantamento de subsídio uma futura negociação com a concessionária Viapar pela reivindicação de isenção ou desconto tarifário na praça de pedágio da BR-376.

Muitos moradores de Marialva passam diariamente pelo pedágio para trabalhar ou estudar em Mandaguari, Jandaia do Sul e outras cidades. Essas pessoas têm um gasto médio de R$ 500 por mês. É um valor considerável”, justifica o vereador Carlos Eduardo Siena, o Côco, um dos integrantes da recém-formada comissão “O pedágio é nosso – Marialva Sem Tarifa”.

“Numa primeira reunião a Viapar solicitou uma estimativa dos marialvenses que trabalham ou estudam em Mandaguari para saber se é uma parcela significativa para abrir o diálogo sobre a reivindicação”, explica Siena. O cadastramento está sendo realizado na Câmara Municipal, onde é necessário apresentar comprovante de residência e de utilização diária do pedágio. Outra ação desenvolvida pela comissão é a adesivagem de veículos.

Como foi amplamente divulgado, os moradores de Mandaguari realizaram diversas manifestações na praça de pedágio. Uma estrada alternativa foi construída para desviar do pedágio e, em abril deste ano, foi bloqueada com a construção de um muro durante a noite. Algumas horas depois os integrantes do movimento “Tarifa Zero” com apoio da prefeitura municipal derrubaram o bloqueio. A Viapar, empresa responsável pelo pedágio na região, negou ter feito o bloqueio.